Compreendendo as Opiniões das Crianças

Glenn Miles.

No trabalho de desenvolvimento comunitário, ouvir as pessoas é uma parte essencial do processo. No entanto, até mesmo quando os métodos participatórios tomam em consideração as opiniões das mulheres, dos agricultores, dos idosos, das pessoas deficientes e dos líderes comunitários, raramente as crianças são consultadas.

Por que as crianças são deixadas de fora?

  • As pessoas pensam que as crianças não têm com o que contribuir.
  • Elas não têm nenhum poder na comunidade e não têm voz.

Para quê ouvi-las?

  • Se um programa estiver voltado às crianças, elas têm o direito de serem envolvidas nos assuntos que podem afectá-las.
  • Se for provável que as crianças se beneficiem através de um programa, elas compreenderão as questões mais claramente do que um adulto, desde o seu próprio ponto de vista.
  • Os adultos têm os seus próprios interesses, os quais podem ser diferentes dos interesses das crianças.
  • Se houver mal entendidos, eles podem ser esclarecidos e discutidos.
  • As crianças geralmente têm entusiasmo, vontade de participarem e de serem ouvidas.
  • As crianças que participam compreendem melhor as questões e, assim, terão melhores condições de tomarem decisões informadas no futuro.
  • As crianças não são inferiores e ignorantes quanto às questões.

Como podemos ouvir?

Para que as opiniões de muitas crianças sejam ouvidas, um pequeno levantamento ou questionário podem ser preparados. Há muitas maneiras de fazer isso:

Levantamentos individuais É melhor usar este método para questões delicadas e para descobrir quão comuns são os diferentes tipos de comportamentos nocivos à saúde. Demora bastante para realizar esses levantamentos individuais. Eles podem ser feitos na forma de questionários escritos ou perguntas pessoais.

Grupos de discussão Trabalhando-se em pequenos grupos, pode ser mais fácil descobrir que opiniões, experiências e habilidades as crianças possuem. As crianças ajudam a incentivar novas idéias entre elas próprias e uma maior quantidade de opiniões vindas das crianças podem ser ouvidas em um menor espaço de tempo.

As perguntas a serem feitas devem levar em consideração o seguinte:

  • a idade e o nível de compreensão das crianças
  • se as crianças são capazes de ler e escrever. Podem ser usados desenhos e dramatizações com crianças analfabetas, para que não haja necessidade de fazer perguntas diretas.
  • o nível de facilidade para se ter acesso aos diferentes grupos de crianças. As crianças em idade escolar, por exemplo, são mais fáceis de serem entrevistadas mas as opiniões das crianças de rua podem ter o mesmo nível de importância.

Levantamentos com questionários Muitas pessoas acham que os questionários não são tão bons como os outros métodos mas eles são relativamente rápidos e fáceis de serem usados com crianças. Eles também são uma boa maneira de aprendermos sobre como fazer pesquisas com crianças e podem ser usados em uma sala de aula.

Quem deveria ouvir?

As pesquisas com crianças podem ser feitas por profissionais da área da saúde, professores ou líderes de jovens com condições de comunicarem bem com as crianças. Isso significa que, apesar de terem uma boa capacidade para ouvirem as crianças, eles também precisam de se fazer entender ao comunicarem. Você talvez conheça adultos com os quais as crianças tenham facilidade de conversar. Quando estiverem sendo abordados assuntos delicados ou quando as crianças tiverem sido traumatizadas de alguma maneira, a pessoa que estiver conduzindo a pesquisa deve primeiro receber treinamento de uma outra pessoa qualificada sobre como comunicar com as crianças.

Preocupações e considerações

Algumas perguntas que precisam de ser consideradas antes de se ouvirem as opiniões das crianças:

  • Uma melhor compreensão beneficiará as crianças a longo prazo?
  • As vantagens no uso de pesquisas e questionários superam as dificuldades e inconveniências causadas às crianças?
  • As perguntas foram primeiro testadas com um pequeno grupo de crianças?
  • Quais são os riscos e gastos se a pesquisa for realizada ou não?
  • As crianças terão a oportunidade de recusarem ou se retirarem se desejarem?
  • As respostas das crianças serão tratadas confidencialmente? Como as crianças podem ser asseguradas disso?
  • A participação das crianças ocorrerá com a permissão delas próprias e dos seus pais?
  • As crianças e os pais serão convidados a comentar sobre os resultados gerais?
  • Quais serão as conseqüências se as opiniões das crianças forem ignoradas no resultado final?
  • Como as informações serão colocadas à disposição daqueles que têm condições de fazerem mudanças?

Glenn Miles tem experiência no Camboja na área de saúde comunitária urbana e atualmente trabalha como consultor na área de desenvolvimento infantil para a Tearfund. Ele pode ser contatado através da Equipe para a Ásia, Tearfund, 100 Church Road, Teddington, TW11 8QE, Inglaterra.
E-mail:
gmmiles@compuserve.com