Reflorestamento comunitário

As mudas são aguadas e protegidas num viveiro em Kivu do Sul, República Democrática do Congo. Sadiki Byombuka/Tearfund
As mudas são aguadas e protegidas num viveiro em Kivu do Sul, República Democrática do Congo. Sadiki Byombuka/Tearfund

Hamisi Mushamuka.

As árvores representam a vida. Elas podem ser usadas de várias maneiras práticas e fazem parte da nossa vida, quer vivamos numa área com muitas ou poucas árvores. As árvores desempenham um papel importante em nosso meio ambiente, nossa saúde, nossa economia, nossa cultura e nossa sociedade.

  • As árvores fornecem lenha e carvão, os quais freqüentemente são as principais fontes de energia.
  • Elas fazem parte do ciclo de água local. Se as árvores forem derrubadas, a água será perdida.
  • Elas fornecem materiais para a construção, móveis, papel, instrumentos musicais e para a produção de obras de arte.
  • As folhas e a casca de algumas árvores podem ser utilizadas como alimento e medicamento para pessoas e animais.
  • Elas fertilizam e protegem o solo contra a erosão e desmoronamentos de terras e rochas.
  • Elas fornecem sombra e purificam o ar.
  • Em algumas culturas, elas são valorizadas por tradição.
  • Elas absorvem o dióxido de carbono, o qual contribui para a mudança climática.
  • Elas são um elemento importante do meio ambiente urbano. Elas afetam os padrões meteorológicos e o clima.
  • Elas protegem e incentivam a biodiversidade, a qual é essencial para sustentar a vida humana e a vida animal como parte do ecossistema local.

Abertura de clareiras nas matas

A abertura de clareiras nas matas está sendo feita numa escala grande e devastadora em várias partes do mundo. As grandes empresas multinacionais são freqüentemente responsáveis, porém, o desmatamento de terras pode ter várias causas.

  • Empresas madeireiras e outras indústrias, como a mineração e a agricultura comercial, adquirem terras florestais e desmatam-nas com fins lucrativos.
  • Uma população em crescimento aumenta a demanda de madeira.
  • O deslocamento de populações em grande escala resultante de guerras e/ou desastres naturais cria uma alta demanda de árvores e florestas em determinadas áreas.
  • Outras formas de energia, tais como a energia solar, eólica e elétrica, não estão disponíveis ou seu preço é inacessível.
  • Devido à pobreza, a necessidade imediata é ganhar dinheiro com a venda de madeira.

 

Quase todas estas causas poderiam ser combatidas através de uma maior imposição de políticas nas áreas de proteção e zelando-se pelo meio ambiente.

Os resultados da abertura descontrolada de clareiras são a escassez de lenha, a erosão do solo, o desmoronamento de terras e rochas, que reduzem consideravelmente a produção agrícola, a principal atividade econômica de milhões de pessoas, e o desmatamento, que acarreta conseqüências negativas para a mudança climática e que, em longo prazo, leva à desertificação.

Para enfrentar estes problemas em âmbito local, é essencial ajudar as comunidades através da ação e da conscientização das pessoas. A responsabilidade disto é de todos nós: pessoas de boa vontade, ONGs, igrejas e governos.

Aqui estão algumas idéias e recomendações de ações baseadas na nossa experiência.


Como iniciar e administrar um projeto comunitário de reflorestamento


PLANEJAMENTO

  • Primeiro identifique o problema e as necessidades e proponha formas de responder a eles.

 

A comunidade e outras pessoas e grupos que se beneficiarão com o projeto devem ser envolvidos em todos os estágios. Seu senso de apropriação e sua participação ativa no projeto dependem disso. A ferramenta de Avaliação Ambiental da Tearfund pode ser usada para ajudar as pessoas a compreenderem o meio ambiente local e garantir que o projeto traga benefícios, sem causar danos ao meio ambiente local.

INÍCIO DO PROJETO – TREINAMENTO

  • Organize uma sessão de treinamento para os líderes do projeto.

 

Esta sessão deve durar dois ou três dias. Os líderes do projeto devem aprender as técnicas usadas na produção de árvores, as quais incluem: germinação, cuidados com as mudas, estabelecimento e administração de um viveiro, questões de quantidade e qualidade, como plantar e cuidar de árvores em locais diferentes e como manter registros escritos. O treinamento deve levar em consideração as necessidades da comunidade e a realidade do seu meio ambiente. Pode-se dar também uma visão geral sobre a gestão de projetos.

DECIDA QUE ÁRVORES PLANTAR

  • Depois que o planejamento e o treinamento tiverem sido feitos, é responsabilidade da comunidade escolher, com sabedoria, que espécies de árvores devem ser plantadas.

 

Considere os tipos de árvores normalmente plantados e aqueles que os habitantes locais acham que serão úteis para o seu meio ambiente. Entretanto, o líder do projeto pode propor a introdução de outras espécies arbóreas agroflorestais e/ou árvores frutíferas para satisfazer as necessidades identificadas no início do projeto e incentivar a diversidade de espécies. Por exemplo, algumas árvores protegem outras árvores ou oferecem condições para que elas se desenvolvam. O líder do projeto também deve explicar por que algumas árvores são inadequadas. As árvores plantadas no lugar errado podem causar danos a outras árvores. As árvores coníferas matam as árvores frutíferas quando plantadas próximo a elas, pois tornam o solo ácido.

EDUCAÇÃO COMUNITÁRIA

  • Uma boa forma de iniciar a educação comunitária é criar um panfleto ou folheto.

 

Este deve mencionar os benefícios das árvores, a agrossilvicultura, os danos socioeconômicos e ambientais causados pela abertura de clareiras e os papéis e as obrigações dos cidadãos na proteção do meio ambiente. Dependendo da comunidade, talvez você queira acrescentar o que a Bíblia diz a respeito da proteção ambiental. Sempre que possível, apresente as informações na forma de figuras e mantenha as explicações escritas o mais curtas possível. Antes de imprimir, teste o folheto para verificar se as pessoas o compreendem. A divulgação destas informações incentivará as pessoas a continuarem com o projeto.

Popularização dos fogões a lenha eficientes Os fogões a lenha eficientes contribuem para a redução do consumo de lenha. Portanto, eles são úteis tanto para as pessoas que vivem nas cidades como para as pessoas que vivem nas áreas rurais. Fale para as pessoas sobre a sua importância e seus benefícios e como fabricá-los com materiais locais facilmente acessíveis. Se possível, mostre às pessoas modelos de fogões aperfeiçoados com adaptações. Também é uma boa idéia organizar algumas sessões experimentais para comparar os resultados dos fogões tradicionais com os resultados dos fogões aperfeiçoados. Exemplos de fogões eficientes podem ser encontrados na Passo a Passo 82 e Passo a Passo 21.

Melhoria do projeto Desde o início do projeto, deve-se ter um bom sistema de acompanhamento e avaliação para garantir que seja possível fazer melhorias e que o projeto seja bem-sucedido.

Hamisi Mushamuka é o Coordenador de Desenvolvimento para a Província da Igreja Anglicana do Congo (Province de l’Église Anglicane du Congo), com sede em Bukavu, província de Kivu do Sul, República Democrática do Congo.