Estes Direitos são Meus

Ann Shrosbree.

Estes Direitos são Meus é um projeto que explora os direitos da criança entre os jovens de Uganda. Ele usa o teatro, nas escolas secundárias, como forma de incentivar a troca de informações e a participação dos jovens.

Foram dadas informações sobre os direitos humanos das crianças aos estudantes, com base na Carta dos Direitos Humanos das Nações Unidas, e pediu-se a eles que pensassem sobre a relevância destes para as suas vidas e também sobre as responsabilidades dos jovens que acompanham estes direitos.

Cerca de 180 alunos de seis escolas secundárias de Kampala, Uganda, trabalharam com o Small World Theatre, um grupo teatral sediado no Reino Unido. Cada escola escolheu até cinco dos direitos mais importantes para elas como base de uma peça. Juntos, os alunos pesquisaram, planearam e ensaiaram uma peça sobre os “direitos da criança” para a sua escola, próximo a escolas primárias, à comunidade local e às pessoas responsáveis pela formulação de políticas. Quarenta alunos também participaram de três apresentações para o Teatro Nacional, em Kampala, o que provocou um grande interesse dos media.

O Small World Theatre introduziu um exercício conhecido como as “Sete Perguntas” (veja abaixo) como uma forma simples e rápida de criar uma estória para uma personagem principal. Este método foi desenvolvido por Alex Mavrocordatos durante um treinamento em teatro participativo no Nepal, com actores de teatro de rua (inclusive o Aarohan – veja a página 4).

Este exercício usa sete perguntas para procurar criar diferentes aspectos da situação da personagem principal. As perguntas fazem com que as pessoas andem para frente e para trás no tempo, para explorar as causas e as conseqüências das ações das personagens e das outras pessoas afetadas pela situação.

O projeto tinha por objetivo explorar o que os “direitos da criança” realmente significavam para os jovens em Uganda. Ele usou o teatro participativo para criar estórias a partir das experiências dos participantes. O abuso sexual dentro da família veio à tona como um tema importante para estes jovens. Cada grupo de participantes é incentivado a criar uma peça interativa que pode ser usada para ensinar outros estudantes sobre os direitos da criança.

Os estudantes desenvolveram uma forma bem ativa de lidar com a discussão com os espectadores. Eles pedem às pessoas para sugerirem formas de mudar as cenas das peças, a fim de melhorarem a situação. Por exemplo, numa peça sobre abuso sexual dentro de uma família, os espectadores concordaram em resolver a situação usando a irmã mais velha, que também tinha sido abusada. Ela se recusava a sair do lado da irmã mais nova, embora o pai tentasse de várias maneiras separá-las. Assim, os planos do pai foram frustrados.

O projeto é apoiado em parceria pelo Conselho Britânico em Uganda, e o Small World Theatre. Para obter mais informações, entre em contato com Ann Shrosbree, Small World Theatre, PO Box 45, Cardigan, SA43 1WT, Reino Unido. E-mail: smallworld@enterprise.net Web: www.smallworld.org.uk 

As Sete Perguntas

QUEM é esta pessoa? (nome, nacionalidade/ tribo/cultura, idade, situação econômica,

O QUE está acontecendo com ela? (situação relacionada com os direitos escolhidos)

O QUE decidiu ela fazer? (O que está ela fazer?)

POR QUE decidiu ela fazer isto? (influências, emoções)

QUEM mais é afetado? (outras personagens principais)

O QUE causou esta situação? (passado)

QUAIS serão as conseqüências? (futuro)