Hortas para uma nutrição melhor

Ian Horne.

As pequenas hortas próximas ao lar sempre foram uma importante contribuição para a nutrição familiar. As hortas ajudam a oferecer variedade na dieta e prover vitaminas e sais minerais vitais, carboidratos e proteínas. A boa nutrição dá resistência ao organismo contra as doenças, assim as hortas ajudam a melhorar a saúde da família.

Nos últimos anos, a dieta tradicional de muitas pessoas mudou. Agora são consumi-dos mais alimentos processados. Os agricultores rurais agora podem cultivar para a venda, ao invés de para o uso familiar. Isto significa que eles podem cultivar menos variedades, principalmente de verduras. As folhas, as raízes e os pequenos frutos silvestres tradicionalmente colhidos para a alimentação podem já não estar mais disponíveis, devido ao desmatamento e à falta de acesso à terra de uso comum. Por causa destas tendências, a dieta de muitas pessoas pobres perdeu sua variedade original de alimentos tradicionais, e estas pessoas não possuem renda suficiente para pagar por uma dieta variada e adequada. As hortas caseiras podem ajudar a melhorar a nutrição familiar, incentivar as variedades tradicionais, melhorar a saúde, produzir plantas medicinais e economizar dinheiro.

Trabalhar com as mulheres geralmente é o segredo para se melhorar a nutrição através das hortas caseiras. As mulheres grávidas, as que estão amamentando e as crianças pequenas são quem mais chances têm de sofrer de má-nutrição. As mulheres também são geralmente quem prepara, processa e armazena os suprimentos de alimento da família.

Antes de planejar este tipo de trabalho, passe algum tempo avaliando os problemas nutricionais locais e pensando sobre como eles poderiam ser resolvidos. Quando a falta de proteína for um problema sério, os projetos de hortas caseiras podem incluir o cultivo de plantas com alto teor de proteínas, tais como todos os tipos de feijão, e também a criação de peixes, aves e pequenos animais. Nos casos em que a falta de ferro (anemia) e cálcio for comum, promova as verduras com alto teor de ferro e cálcio. Quando a falta de vitamina A causar problemas de saúde e cegueira noturna entre os pobres, promova as verduras de folhas verdes e outras, como o pimentão e a cenoura, ricas em vitamina A.

Nas regiões urbanas, talvez haja um pequeno terreno do lado de fora da casa ou à beira da rua, que possa ser cultivado. Caso contrário, podem ser cultivados ervas, tomates e verduras de folhas em vasos feitos de pneus velhos ou baldes de plástico perto das janelas ou portas e regados com água reaproveitada.

Como iniciar um projeto de hortas caseiras

Podemos aprender muita coisa sobre como iniciar uma horta caseira com a experiência da Associação São Lucas (ASL), no Peru. Aqui estão alguns segredos de seu sucesso.

  • Avalie as necessidades nutricionais locais Quais são os principais problemas nutricio-nais da comunidade e de que forma estão ligados aos hábitos alimentares?
    • Que plantas são cultivadas? Elas são usadas como fonte de renda ou para o consumo familiar?
    • Como as famílias fazem seu orçamento para comprar alimentos?
    • Quais são os principais problemas na produção de alimento (por exemplo, falta de terra ou de mão-de-obra, danos causados por pragas, falta de habilidades, armazenamento ruim)?
    • Quais são os principais problemas no cozimento e no preparo de alimentos? 
  • Organização Pense cuidadosamente sobre como organizar a produção – em terrenos individuais ou em terrenos de uso comum, e como coordenar o apoio.
  • Escolha bem as culturas As culturas devem ser:
    • fáceis de serem cultivadas, com ciclos de cultivo curtos ou estações de colheita longas
    • adaptadas para o clima e o solo locais
    • cultivadas no local
    • populares e saborosas
    • resistentes às pragas e às doenças.

Ao escolher as verduras adequadas, examine a dieta das famílias pobres com boa saúde. Examine também a dieta das pessoas mais idosas com hábitos alimentares mais tradicionais.

  • Ligue a produção à boa nutrição O ensino divertido sobre a nutrição e o preparo de refeições equilibradas são vitais. Pode ser necessário desafiar os preconceitos locais contra certos alimentos.
  • Disponibilidade de água Quando houver escassez de água, outras necessidades domésticas provavelmente terão prioridade. Aumente a disponibilidade de água para as plantas:
    • cobrindo o solo ao redor das plantas com uma camada de folhas ou capim
    • criando sombra para as plantas jovens
    • retirando as ervas daninhas (elas competem pela água)
    • colocando adubo e composto, para aumentar a retenção de água. 
  • Pragas e doenças Ofereça auxílio técnico para a identificação e o tratamento de pragas e doenças. Ajude a preparar pesticidas orgânicos. Distribua panfletos com diagramas claros.
  • Proteja e alimente o solo Considere o uso de técnicas como culturas de cobertura, para cobrir o solo, e barreiras de contorno, que evitam que o solo seja levado pela água. A ASL incentiva as pessoas a fazer composto, para aumentar a fertilidade do solo.

Alguns comentários finais

A Warmikunam Cristianas Trabajaykan (WCT) trabalha com grupos indígenas no norte do Peru. Eles acharam os projetos de hortas caseiras úteis para empoderar as mulheres e desenvolver organizações locais mais eficazes. Este trabalho pode resultar na produção comercial e no processamento da produção das hortas, para levantar recursos extras. Projetos como este contri-buem para ampliar o desenvolvimento comunitário e a solidariedade.

A PRODAD, na Nicarágua, incentiva os produtores a compartilhar parte da produção de suas hortas com as viúvas, os centros de alimentação infantil e outras pessoas carentes, demonstrando cuidado e preocupação dentro da comunidade.

Nas regiões rurais, as pessoas sem terras são, muitas vezes, as mais vulneráveis à mánutrição. Para que as hortas beneficiem estas pessoas, precisamos ajudá-las a ter acesso seguro à terra.

Agradecemos especialmente aos parceiros da Tearfund, Associação São Lucas e Warmikunam Cristianas Trabajaykan (Peru), à CORCRIDE (Honduras) e à PRODAD (Nicarágua), que forneceram as informações para este artigo.

Ian Horne é um nutricionista com interesse em desenvolvimento rural, que atualmente trabalha com a Tearfund como Oficial de Programas para a Região Andina, tendo trabalhado anteriormente num projeto de hortas caseiras no México.  

Estudo de caso: Associação São Lucas

A Associação São Lucas (ASL), no Peru, trabalha com comunidades de agricultores pobres na área florestal de Moyabamba. Aqui, as principais culturas são o arroz, o café, a banana, o milho e a mandioca. Através de reuniões comunitárias e uma avaliação das necessidades com os habitantes locais, foram observados um alto nível de má-nutrição infantil e um baixo consumo de frutas e verduras. A ASL começou um projeto de hortas nas escolas de quatro comunidades, envolvendo os professores, os alunos e as associações de pais. Muitas famílias, então, estabeleceram terrenos para o cultivo de verduras em suas próprias terras. Recentemente a ASL iniciou um projeto comunitário e familiar de hortas, trabalhando principalmente com organizações de base.

As mães escolheram suas próprias líderes para coordenar os grupos de 15–20 mães em cada povoado (aldeia). Cada mulher cultiva uma pequena horta perto de sua casa, de 10 metros quadrados de preferência. A ASL oferece treinamento e apoio através de duas visitas por mês, assim como através de sementes e algumas ferramentas manuais. O treinamento inclui informações técnicas, como cultivar as verduras, como manter a fertilidade do solo, nutrição básica e como preparar pratos nutricionalmente equilibrados com as verduras.

As plantas cultivadas de mais sucesso foram o coentro, o rabanete, a cenoura, pequenas abóboras-peras, o repolho e o tomate. A ASL começa com três ou quatro verduras populares e nutritivas. Depois, à medida que os produtores melhoram suas habilidades de cultivo, pode haver uma produção extra para a venda.

Os principais problemas têm sido a falta de água na estação seca e as perdas na colheita (devido a pragas, doenças, ladrões e animais). Para ajudar a resolver o problema da falta de água, as comunidades têm usado canos (tubos) para transportar a água das nascentes nas proximidades e garrafas de bebidas de plástico para servirem de regadores. A ASL ajuda os produtores a identificar as pragas e treina-os no uso de pesticidas naturais. As perdas causadas por ladrões e animais que perambulam no local foram em grande parte resolvidos através de acordos comunitários e cercas ao redor das hortas.

Dicas práticas

  • Ofereça ensino sobre nutrição e encontros de treinamento participativos divertidos, em que sejam preparadas refeições equilibradas.
  • Introduza novas culturas lentamente e somente se tiverem benefícios nutricionais especiais.
  • Inclua verduras de folhas verdes escuras como uma boa fonte de vitamina A. As folhas mais velhas tendem a ter um teor mais alto de vitamina A.
  • Incentive as culturas ricas em vitamina C, como as frutas cítricas, o pimentão e o tomate.
  • Promova o feijão, a ervilha e a lentilha. Para um teor máximo de proteínas, incentive as pessoas a cultivar e comer uma variedade de feijões, ervilhas ou lentilhas e vegetais com amido em cada refeição.
  • Pense em promover a criação de peixes e galinhas, coelhos ou outros animais pequenos.
  • As folhas e as frutas de muitas árvores podem fazer uma contribuição vital para a nutrição familiar. Plante-as nos cantos da horta, onde elas não façam sombra para as culturas de verduras. Elas, com freqüência, possuem uma resistência à seca maior, por causa de seus sistemas amplos de raízes.
  • Planeje o plantio cuidadosamente, para que as culturas forneçam alimentos durante o ano inteiro, principalmente durante as “estações magras”, quando há pouca disponibilidade de verduras e frutas.