Por que minha igreja está envolvida em negócios

Passo a Passo 103 - Empreendedorismo

A Passo a Passo 103 está repleta de conselhos práticos sobre como gerir um negócio bem-sucedido.

Por que minha igreja está envolvida em negócios

por Roy Soto 

Nossa comunidade é rural e está localizada no sopé do vulcão Poas, na Costa Rica. Em 2009, um terremoto devastou a região. Antes do terremoto, havia 12 mil pessoas empregadas na área; hoje há menos de 1000.

Men working on a farm

Minha igreja decidiu ajudar de duas maneiras. Em primeiro lugar, criamos um serviço de recrutamento. As pessoas que precisavam de empregados enviavam-nos seus requisitos, e nós os anunciávamos. Dessa forma, centenas de pessoas encontraram trabalho. Também decidimos fornecer trabalho às pessoas nós mesmos. Começamos a plantar e vender morangos, alface e coentro e agora temos 32 mil morangueiros. Também iniciamos um serviço de catering (fornecimento de comidas para eventos), um minimercado e uma cafeteria e alugamos equipamentos (cadeiras, mesas, etc.) para festas e outras atividades. Atualmente, oferecemos empregos a 35 pessoas. 

Três motivos pelos quais fazemos negócios 

Primeiro, minha igreja está envolvida em negócios, porque queremos ver a economia redimida pelos valores do reino de Deus. Isso significa oferecer salários justos, boas condições de trabalho, produtos de qualidade em conformidade com os regulamentos de saúde e higiene, excelentes serviços e preços justos para os clientes. 

Em segundo lugar, queremos ser sustentáveis como igreja. Temos vários projetos comunitários e não podemos depender apenas da generosidade de nossos membros para financiá-los. Por exemplo, temos um centro diurno para idosos e um centro de apoio e treinamento para mulheres que sobreviveram à violência doméstica. 

Em terceiro lugar, fazemos negócios, porque não queremos que as pessoas se sintam manipuladas a fazer doações à igreja. Somos totalmente contra a ensinar às pessoas que dar é como uma transação, na qual receberão algo milagroso em troca. Vemos isso como uma distorção da Bíblia. Ao invés disso, acreditamos que todos os nossos recursos pertencem a Deus, e que devemos dar generosamente por gratidão. 

Tudo isso nos motiva a continuar fazendo negócios como igreja, gerando renda para que possamos ser o sal e a luz em nossa comunidade. 

Roy Soto é o pastor da Igreja Shalom, na Costa Rica, e é formado pelo programa Inspired Individuals (Indivíduos Inspirados) da Tearfund. 

Site: www.shalomcr.org
E-mail: soto.roy@gmail.com