Animais de produção em emergências

Os animais de carga podem ser de grande ajuda para refugiados deslocados por conflitos ou crises de alimentos. Foto: Eleanor Bentall/Tearfund
Os animais de carga podem ser de grande ajuda para refugiados deslocados por conflitos ou crises de alimentos. Foto: Eleanor Bentall/Tearfund

Cathy Watson, Coordenadora do projeto LEGS

Milhões de pessoas ao redor do mundo dependem dos animais de produção para sustentar suas famílias. Estes animais podem ser bovinos, camelos, ovinos e caprinos, que formam os rebanhos de pastoreio da África Subsaariana, ou búfalos asiáticos, que fornecem leite e tração animal em várias partes da Ásia, ou lhamas, cuja carne e pelo são uma fonte de renda familiar fundamental no Peru.

Conforme discutido na última edição da Passo a Passo, os desastres fazem parte da vida diária de uma grande parte da população mundial. Estes desastres incluem secas, inundações, terremotos, tsunamis, tempestades tropicais e invernos rigorosos. Em muitos casos, não apenas as pessoas são afetadas pelos desastres, mas seus animais de produção também. Os animais podem morrer em secas e inundações, perder seu abrigo ou sua fonte de forragem nos terremotos, ou sua fonte de água pode ficar contaminada em tempestades tropicais. Os desastres, portanto, podem causar impacto nos meios de vida das pessoas, bem como na sua vida.

Entretanto, muitos programas de resposta a emergências concentram-se em fornecer alimentos, abrigo e medicamentos às pessoas, sem perceber que elas podem também ter perdido seus meios de vida. Alguns programas de resposta a emergências não compreendem o papel que os animais de produção desempenham nos meios de vida e podem ser inadequados, mal montados ou realizados tarde demais para serem de alguma ajuda.

As Diretrizes e Padrões para Animais de Produção em Emergências (Livestock Emergency Guidelines and Standards – LEGS) são um conjunto de diretrizes internacionais que visam apoiar respostas emergenciais para ajudar proprietários de animais de produção afetados por desastres. Elas estão baseadas na boa prática internacional e abrangem uma variedade de áreas técnicas, tais como saúde animal, forragem, água, redução de estoque e repovoamento animal e abrigo para animais. As diretrizes também oferecem um conjunto de ferramentas práticas para avaliar o impacto de um desastre nas comunidades locais; identificar, de forma participativa, as intervenções mais adequadas e oportunas; e montar respostas emergenciais para apoiar os animais de produção e seus proprietários durante e após um desastre. Algo fundamental para a abordagem LEGS é a importância da participação das comunidades afetadas e a necessidade de compreender como os animais de produção se encaixam na vida das pessoas afetadas a fim de ajudar a proteger e reconstruir os meios de vida de forma adequada.

As diretrizes LEGS foram criadas para assistentes de projetos e agentes de desenvolvimento responsáveis por montar e implementar atividades em resposta a emergências. O Manual LEGS encontra-se disponível para download gratuito no site LEGS e também como exemplar impresso através da editora que o publica (informações no site LEGS: www.livestock-emergency.net). O manual foi traduzido para francês, espanhol e árabe.

O programa de treinamento LEGS está baseado numa série de cursos regionais de treinamento de treinadores que produz uma pequena equipe de treinadores LEGS em cada país. Os treinadores LEGS, então, administram o curso de treinamento básico LEGS, com duração de três dias, dentro das suas próprias organizações e em outras, conforme a demanda. Até o momento, foram realizados 11 cursos de treinamento de treinadores nas seguintes regiões: África Oriental, África Ocidental (em países de língua francesa e inglesa), África Austral, África Central, Sudeste Asiático, Ásia Meridional, Paquistão/Afeganistão e América Central. Agora, há um total de 189 treinadores LEGS pelo mundo, os quais podem ser chamados para administrar cursos de treinamento LEGS.

O Manual LEGS será revisado ao longo do próximo ano através de um processo de consulta on-line usando a lista de correspondência do projeto LEGS. Novos estudos de caso e exemplos de respostas emergenciais para animais de produção, especialmente da Ásia e da América Latina, seriam bem recebidos como contribuição para este processo. Mais informações sobre o processo de consulta e um modelo de estudo de caso serão postados no site LEGS em breve.

As pessoas registradas na lista de correspondência do projeto LEGS recebem atualizações periódicas sobre as atividades LEGS, inclusive o programa de treinamento. Para se registrar na lista de correspondência, entre em contato com o Administrador do projeto LEGS: admin@livestock-emergency.net

Para obter qualquer outra informação sobre LEGS, veja o site LEGS: www.livestock-emergency.net, contate o Coordenador do projeto LEGS: Coordinator@livestock-emergency.net 

ou escreva para:

The LEGS Project
c/o Feinstein International Center
Tufts University
PO Box 1078
Addis Ababa
Etiópia


Estudos de caso

ESTUDO DE CASO UM

Forragem de emergência para animais de produção complementa operações de resgate em Bangladesh

Em julho de 2007, uma severa inundação afetou mais de 60 por cento de Bangladesh, com o maior impacto ocorrendo no norte do Jamuna. O Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido já estava trabalhando com as comunidades que vivem em “chars” na região para melhorar seus meios de vida (Editora: “Chars” são ilhas de areia e áreas baixas propensas a inundações nas margens do rio, as quais são frequentemente levadas pelas águas).

O projeto, então, respondeu à inundação com um trabalho de assistência em situações de desastres que incluía assistência alimentar, pastilhas de purificação da água, operações de resgate e apoio aos animais de produção. Eles forneceram forragem para 15.000 bovinos durante oito dias, o que auxiliou pelo menos 90% das famílias que viviam na área do projeto. Mais de 3.300 bovinos foram resgatados juntamente com 3.800 pessoas.

ESTUDO DE CASO DOIS

Programa de vales para auxiliar a saúde animal no Quênia

Nas terras de pastagem afetadas pela seca no noroeste do Quênia, os medicamentos para os animais de produção estão em alta demanda. Entretanto, o fornecimento de medicamentos gratuitos enfraquece as cadeias de serviços locais e faz com que, uma vez que a emergência passe, o setor privado (Agentes Comunitários de Saúde Animal – ACSAs – e as farmácias privadas locais) frequentemente não possa reiniciar os suprimentos.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha, portanto, experimentou um programa de vales, em que estes eram dados a famílias selecionadas, as quais podiam, então, trocá-los por tratamentos e medicamentos específicos fornecidos por ACSAs e assistentes veterinários particulares. O programa abrangeu cerca de 30.000 pessoas e permitiu que os recursos fossem direcionados para as famílias mais vulneráveis, o que, ao mesmo tempo, auxiliou e reforçou a rede existente de ACSAs e veterinários particulares.

ESTUDO DE CASO TRÊS

Distribuição de animais após terremoto no Iran

O terremoto Bam, no sul do Iran, em 2003, causou a morte de mais de 40.000 pessoas. Embora os meios de vida da maioria das pessoas da região estivessem baseados no cultivo de tâmaras e na mão de obra agrícola, muitas também possuíam alguns animais para suplementar seus suprimentos de alimento e sua renda, entre eles, bovinos, ovinos e caprinos, a maioria dos quais foram mortos ou perdidos durante e em consequência do terremoto.

A ACF-Espanha montou um projeto de distribuição de animais de produção para fornecer duas cabras e alguma forragem para cada uma das 1.200 famílias vulneráveis selecionadas com a colaboração do conselho local em 17 povoados afetados. O objetivo era simplesmente fornecer leite e uma renda adicional a estas famílias. Entretanto, uma pesquisa de acompanhamento constatou que, além dos benefícios econômicos das cabras (leite e produção de lã), os beneficiários também enfatizaram o impacto psicológico positivo da distribuição de animais (isto é, uma fonte de interesse e motivação para crianças afetadas pelo trauma).

ESTUDO DE CASO QUATRO

Seres humanos e animais de produção na crise de Kosovo

Em 1999, durante o conflito de Kosovo, as famílias dormiam nos seus currais junto com seus animais porque suas moradias, danificadas pela guerra, não podiam mais oferecer abrigo adequado contra o tempo frio. As famílias aproveitavam o calor do corpo dos animais durante as noites de inverno. Esta prática também reduziu o risco de roubo de animais. Foram fornecidos kits de ferramentas para melhorar e aumentar os currais a fim de atender à maior utilização por parte das pessoas além dos animais que já os ocupavam.