A fome e um futuro rei

Rute 1-4

Contexto

A história de Rute tem lugar no Antigo Testamento, no tempo dos juízes, antes de Israel ter um rei. Um homem chamado Elimeleque, a sua mulher Noemi e os seus dois filhos viviam em Belém, numa área agrícola fértil. Houve uma fome naquela altura, possivelmente como resultado de seca, ou talvez porque os ataques das tribos vizinhas dificultassem o cultivo de alimentos. Elimeleque decidiu migrar com a sua família para a terra de Moabe – surpreendentemente, porque os moabitas (descendentes do sobrinho de Abraão, Lot) adoravam outros deuses e eram às vezes hostis para com os judeus.

Pouco depois, Elimeleque morreu. Os seus filhos, Malom e Quiliom, casaram com mulheres moabitas, Rute e Orfa, mas passados cerca de dez anos outra tragédia aconteceu e os dois homens morreram. Noemi ficou sem marido, sem filhos e sem netos. Quando ouviu dizer que havia de novo comida em Belém, decidiu voltar para a terra. Pediu às noras que ficassem em Moabe e voltassem a casar. Orfa concordou, mas Rute insistiu em voltar para Belém com Noemi, dizendo “Aonde quer que tu fores, irei eu; e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo será o meu povo, o teu Deus será o meu Deus.” (Rute 1:16).

Os capítulos que se seguem revelam muito sobre a cultura e os costumes antigos de Israel. Noemi e Rute, como retornadas pobres, mantêm-se vivas graças aos sistemas de defesa usados pelos pobres e à intervenção de um familiar rico – “um parenteredentor” (Rute 2:20). A lealdade e o bom carácter de Rute são recompensados. Ela casa com Boaz e dá à luz Obede – o avô do maior rei de Israel, David (Rute 4:16-17).

Pontos-chave

  • Os desastres, como a fome, podem causar migrações e a degradação da vida normal em sociedade. Podem perder-se familiares. No entanto, Deus é fiel ao seu povo e o seu amor não muda, nem mesmo em épocas de escuridão e desespero.
  • Deus tem os seus próprios planos e finalidades maiores para o seu povo. A tragédia e as perdas humanas podem atrasar esses planos, mas Deus é capaz de usar essas adversidades para atingir os seus objectivos últimos. 
  •  Todas as sociedades têm os seus mecanismos de defesa que permitem às pessoas sobreviver em épocas difíceis. Qualquer ajuda externa em situações de desastre tem de reconhecer e reforçar esses sistemas e não desvalorizá-los ou destruí-los.

Perguntas

1) A fome em Belém levou Elimeleque e a sua família a migrar para Moabe. Porque pensa que ele escolheu uma terra onde eram adorados outros deuses e um povo que era às vezes hostil ao seu? Em épocas de dificuldade, como é que as pessoas decidem hoje para onde migrar?

2) Em Moabe, o marido de Noemi morre, seguido poucos anos depois pelos seus dois filhos. Ela decide voltar para a sua terra e a nora Rute está decidida a ir com ela. Como se sentia Noemi quando chegou a Belém (Rute 1:19-22)? Até que ponto é que nós deitamos as culpas a Deus quando enfrentamos tempos de crise nas nossas próprias vidas?

3) Noemi e Rute chegaram na época da colheita da cevada. (A cevada é um cereal semelhante ao trigo.) Que costume segue Rute que permitia aos pobres partilhar da colheita (Rute 2:2-3 e 5-7)? A sua cultura tem alguns sistemas semelhantes para ajudar as pessoas pobres?

4) Como é que Rute foi tratada pelo proprietário dos campos onde ela trabalhava (um homem chamado Boaz)? Porque é que ele foi assim bondoso para com ela (Rute 2:8-13)?

5) Noemi reconhece Boaz como parente do seu falecido marido. Como é que a atitude dela para com Deus começa a mudar (Rute 2:19-20)? Que provas encontra da bondade de Deus para com Rute e Noemi, apesar de Rute ser estrangeira? Como é que nós tratamos os estrangeiros em épocas de desastre?

6) Os israelitas tinham um sistema de “parentes-redentores” que eram, de uma maneira geral, relativamente abastados. O parente-redentor era responsável por olhar pelos membros mais necessitados da sua família alargada. Como é que Boaz cumpre o seu dever de parente-redentor para com Noemi (Rute 4:1-10)? Como é que ele lida com o facto de Noemi ter um parente mais chegado?

7) A história tem um final feliz: Boaz compra o terreno de Elimeleque a Noemi e casa com Rute (Rute 4:9-12). O casal tem um filho a quem dá o nome de Obede. Como é que Obede se enquadra nos planos mais vastos de Deus para a nação de Israel (Rute 4:16-22)? Como é que Deus age mais tarde como “parente-redentor”, através de outro bebé nascido em Belém?