Conflitos sobre recursos naturais

Scott Jones.

O acesso e controle dos recursos naturais, tais como a terra, a água de um riacho ou poço, ou os produtos de uma floresta ou lago, podem gerar conflitos freqüentemente. Tais conflitos podem fazer com que os recursos não sejam administrados de maneira produtiva ou sustentável. Nós geralmente pensamos que os conflitos são negativos. No entanto, ao trazerem questões à tona, os conflitos podem ser usados positivamente, criando uma oportunidade para cicatrizar feridas, desenvolver objetivos e maneiras de conquistar os objetivos que são aceitos por todos.

Causas dos conflitos

Os conflitos não ocorrem apenas entre comunidades, empresas e governos. Eles também ocorrem dentro deles. As pessoas das comunidades locais não são todas iguais. Grupos e indivíduos se diferenciam quanto ao gênero, classe, casta, clã ou tribo, educação, idade e religião. As pessoas podem usar os recursos e depender deles de várias maneiras. Cada grupo ou indivíduo tem diferentes níveis ou tipos de poder no que diz respeito ao acesso e controle dos recursos – alguns podem ter muito pouco poder.

As empresas sofrem pressões dos competidores e acionistas. Elas precisam equilibrar a capacidade de obterem lucros a curto prazo com a importância de desenvolverem recursos sustentáveis a longo prazo.

Os governos também enfrentam conflitos de interesses. Nem sempre parece que os departamentos de agricultura, abastecimento de água e silvicultura pertencem à mesma equipe, ao discutirem o uso dos recursos. A maioria dos departamentos ou ministérios têm recursos financeiros limitados, o que faz com que a falta de funcionários e recursos aumente a tensão.

Esta pode ser a situação encontrada por uma empresa que se instala na região ou por um projeto de desenvolvimento que é iniciado. Geralmente, eles são planejados fora da área de impacto, trazendo conflitos antigos de volta e criando conflitos novos. Alguns grupos podem reagir, ‘tomando para si o que puderem’, através da força e da persuasão. Os relacionamentos podem piorar, assim como o conflito propriamente dito. Alguns grupos podem procurar exercer poder e autoridade sobre a situação, de maneira egoísta, ou para o bem comum – poder econômico ou físico, por exemplo, ou poder proveniente do conhecimento possuído.

 

Modalidades de administração de conflitos

Há muitas maneiras de administrar os conflitos. Geralmente, usa-se mais do que uma.

Modalidades habituais ou tradicionais Todas as sociedades possuem os seus próprios costumes ou maneiras de lidar com os conflitos. Estes costumes não devem ser ignorados. Eles geralmente podem levar a soluções duradouras e sustentáveis, por estarem enraizados em crenças e valores locais. Eles geralmente são acessíveis e as pessoas costumam confiar nos resultados. Por outro lado, as modalidades habituais podem ter fraquezas significativas. Elas podem negligenciar algumas pessoas, tais como as mulheres, os grupos minoritários e certas castas. Elas podem manter desequilíbrios de poder já existentes. As decisões podem ser feitas de modo que as poucas pessoas com poder, a nível local, sejam favorecidas. Elas também não costumam ser documentadas por escrito.

Modalidades legais As modalidades legais podem ser encontradas nos sistemas locais e habituais ou, mais amplamente, nas estruturas governamentais nacionais. As evidências são agrupadas, o caso é debatido e um julgamento é feito, o qual é apoiado pela lei. Em algumas sociedades, a modalidade legal é quase sempre usada para resolver conflitos. Às vezes, esta modalidade é adotada de maneira demasiadamente rápida, antes que outras opções sejam tentadas. Em outras situações, as pessoas talvez não confiem no sistema legal ou não tenham acesso, experiência ou recursos para usá-lo.

Força O poder físico é uma modalidade óbvia na administração de conflitos. Entretanto, outras formas de poder podem ser provenientes do charme, caráter ou função de alguém. Eles podem usar o poder que possuem para persuadir outras pessoas. O uso da força raramente garante sucesso a longo prazo e pode semear descontentamento. A lembrança da força utilizada no passado pode impedir que as pessoas sigam adiante nos dias de hoje.

Modalidades de parceria Este é um termo genérico para as modalidades nas quais as pessoas trabalham juntas e todas são envolvidas no processo. Geralmente é necessário envolver uma pessoa externa para guiar o processo desde o começo ou em etapas chaves. O alvo é alcançar um resultado justo e duradouro, com o qual todos estejam de acordo e todos ganhem. A administração de conflitos em parceria geralmente envolve várias etapas. Em cada etapa, verifique se todos estão de acordo antes de prosseguir. As etapas podem ser vistas no diagrama encontrado nas páginas centrais.

O Dr Scott Jones é professor e coordenador de pesquisas no CDRT. Ele tem experiência nas áreas de silvicultura, saúde e administração de conflitos na África, na Índia, no sudeste da Ásia e na região do Pacífico. Endereço: CDRT, Universidade de Wolverhampton, Gorway Road, Walsall, WS1 3BD, Inglaterra.