Recursos

Solar Water Disinfection: a guide for the application of SODIS

AEAWAG/SANDEC publicou recentemente um manual sobre o uso da desinfecção solar da água, SODIS (do inglês, Solar Water Disinfection), mencionada na Edição 51 da Passo a Passo. O manual sobre SODIS foi escrito para trabalhadores de campo que estejam incentivando o uso deste método. Ele contém informações sobre SODIS, suas vantagens e limitações, informações detalhadas sobre seu uso e fatores importantes a serem considerados, com base em mais de dez anos de experiência na promoção da SODIS.

O manual pode ser obtido gratuitamente, como arquivo PDF, no web: www.sodis.ch

Regula Meierhofer, SANDEC/EAWAG, PO Box 611, C CH-8600 Duebendorf, Suíça E-mail: regula.meierhofer@eawag.ch

CD-ROM de Educação sobre a Malária

Uma nova versão deste CD-ROM educativo pode agora ser obtido através do Royal Perth Hospital, em inglês, francês e espanhol. As cópias são gratuitas para as instituições médicas e educativas.

O website do hospital contém informações atualizadas sobre o diagnóstico, a prevenção e o tratamento de malária. Entretanto, o CD-ROM é particularmente útil para os centros que não possuem acesso seguro à Internet. www.rph.wa.gov.au/labs/haem/malaria

Para obter o CD-ROM, escreva para: Graham Icke, Malaria On-Line Project, Royal Perth Hospital, Perth, Austrália E-mail: graham.icke@health.wa.gov.au

Mwongozo kwa waelimishaji wa elimu ya afya
Dr. M. Serventi e T. Zebroff

Um folheto bem ilustrado sobre educação na área da saúde, disponível apenas em suaíli, contém informações sobre vários tópicos, inclusive higiene, tratamento de úlceras e diarréia, nutrição, amamentação e prevenção da malária. Ele custa 1 dólar americano e pode ser obtido através de:

LVIA Coordinator, PO Box 1498, Dodoma, Tanzânia

 

Aconselhamento técnico
 

Não são muitas as pessoas que têm a sorte de ter aconselhamento especializado a sua disposição. Entretanto, aqui estão algumas organizações que podem fornecer orientações úteis e práticas. Por favor, observe que estas não são agências financiadoras. Portanto, não os faça perder tempo pedindo-lhes dinheiro.

SEPASAL

O SEPASAL (Survey of Economic Plants for Arid and Semi-Arid Lands – Levantamento de Plantas Econômicas para Terras Áridas e Semi-Áridas) é um banco de dados sobre as utilizações de mais de 6.220 plantas silvestres de terras áridas, com enfoque na África. O SEPASAL está sendo desenvolvido e mantido no Royal Botanic Gardens, em Kew, com uma sede regional estabelecida nos National Museums of Kenya (Museus Nacionais do Quênia), em Nairobi. O SEPASAL reúne e troca informações, a fim de ajudar a apoiar o uso sustentável de terras áridas tropicais. Eles registram nomes científicos e comuns, distribuição, ecologia, usos, análises químicas, fontes de sementes (quando possível) e referências. Um projeto recente (Safra silvestre africana) está reunindo informações sobre o conteúdo de nutrientes de plantas comestíveis silvestres africanas.

Você pode entrar em contato com o SEPASAL por e-mail, carta ou através de seu website. Se escrever, por favor, forneça tantos detalhes quanto possível sobre o seu trabalho e os tipos de informações de que precisa (por exemplo, o tipo de plantas em que está interessado, o país, o clima e as condições ambientais). Por favor, observe que eles não cobrem as culturas comerciais principais ou plantas amplamente cultivadas.

SEPASAL Centre for Economic Botany, Royal Botanic Gardens, Kew, Richmond, Surrey, TW9 3AE Inglaterra E-mail: sepasal@rbgkew.org.uk Web: www.rbgkew.org.uk/ceb/sepasal

The Honey Bee Network

Esta rede visa trocar conhecimentos e idéias de forma a beneficiar tanto as pessoas que os estão compartilhando quanto os que estão aprendendo com elas.

Ela põe pessoas inovadoras em contato e incentiva comentários, a comunicação e o trabalho em rede nos idiomas locais. Ela produz um boletim repleto de informações práticas e, na Índia, possuem associações locais usando idiomas como tamil, hindi, gujurati e kannada.

Honey Bee Network, SRISTI, PO Box 15050, Ambavadi PO, Ahmedabad 380015, Gujarat, Índia E-mail: honeybee@iimahd.ernet.in Web: http://csf.colorado.edu/sristi

ECHO

A ECHO lida com pedidos técnicos, geralmente relativos a aconselhamento sobre que culturas e árvores apropriadas poderiam ser introduzidas. Eles pedem que os pedidos de informações enviados por e-mail forneçam o endereço postal completo e o nome da organização com a qual as pessoas estão trabalhando. Se for possível obter informações completas sobre o clima local, elas serão muito úteis. Eles recomendam que você lhes diga quais são as quatro culturas mais comuns na região e a época do ano em que elas são plantadas e colhidas.

ECHO ,17391 Durrance Road, North Ft Myers, FL 33917, EUA E-mail: echo@echonet.org

Christian Veterinary Mission

Esta organização oferece um serviço para pequenos fazendeiros que não possuem acesso a um serviço veterinário, permitindo-lhes que consultem um especialista nesta área sobre a saúde animal. Há um formulário à disposição, que pede todas as informações necessárias para se fazer um diagnóstico. Você também pode enviar informações por carta ou e-mail. Deve-se fornecer o máximo de informações possíveis. Por exemplo:

  • localização e descrição da fazenda (paisagem, região)
  • clima em cada estação
  • número de animais doentes e saudáveis por idade, sexo e tipo
  • se os animais doentes foram mantidos separados e que método é usado
  • distância da fazenda mais próxima com a mesma espécie de animais doentes
  • saneamento e nutrição animal, métodos de controle de vermes e insetos
  • sintomas (sinais de doença, temperatura do corpo, qualquer tratamento feito). Todos os sintomas devem ser descritos, por menores que pareçam.

Christian Veterinary Mission, C/o World Concern, Box 33000, Seattle, Washington 98133, EUA E-mail: cvmvetdrdeg@ftc-i.net

Agromisa Foundation

A Agromisa foi fundada em 1934 e está ligada ao Centro de Pesquisas da Universidade de Wageningen, nos Países Baixos. Ela visa trocar informações sobre a agricultura sustentável de pequena escala e tópicos relacionados. Seu grupo-alvo é a população desprivilegiada das regiões rurais.

O principal objetivo da Agromisa é fortalecer a autoconfiança e melhorar os meios de sustento através da troca de experiências e conhecimento. Eles acreditam que a lacuna entre o conhecimento científico e o conhecimento dos agricultores deveria ser preenchida.

O Centro de Informações para Recursos da Agromisa possui três seções:

  • A Seção de Publicações, responsável por escrever, traduzir e publicar a série Agrodok. Estes folhetos práticos também estarão disponíveis em CD-ROM a partir de 2003. O objetivo é publicar a série a nível mais local, para que seja mais adaptada para as condições locais e, se necessário, nos idiomas locais
  • A Seção de Aconselhamento, que administra a biblioteca e o Serviço de Perguntas e Respostas. Este serviço usa pessoas com experiência em redes de organizações e é fornecido gratuitamente.
  • A Seção de Treinamento, que organiza encontros de treinamento de duas semanas em “Participação no Desenvolvimento” nos Países Baixos e de uma semana em outros países.

AGROMISA, PO Box 41, 6700 AA Wageningen, Países Baixos Fax: +31 317 419 178 E-mail: agromisa@agromisa.org Web: www.agromisa.org

Agromisa em ação: Problemas com o sal em Orissa, Índia

A Agromisa teve um pedido de informações, através de uma ONG holandesa, de uma região de desastre em Orissa. Como resultado das enchentes graves de 1999, o teor de sal do solo havia-se tornado um problema em muitas partes de Orissa. Há um projeto na região que procura ajudar os agricultores afetados através do fornecimento de materiais para plantio (arroz) e fertilizante (uréia). Foram solicitadas à Agromisa possíveis soluções para os problemas relacionados com o sal.

As culturas variam em sua tolerância de sal. O arroz e o milho são culturas sensíveis, porém o sorgo e o trigo são muito menos sensíveis ao alto teor de sal. Os níveis de sal no solo mudam no decorrer do ano. Na estação úmida, o teor de sal cai como conseqüência das chuvas excessivas. Na estação seca, o teor de sal aumenta, à medida que a água subterrânea com um alto teor de sal sobe pelo solo. A Agromisa aconselhou contra o plantio de arroz por um ou dois anos. Eles também recomendaram que os solos fossem drenados. Os solos com níveis altos de sal são freqüentemente ácidos (com um pH baixo), o que significa um uso pequeno de muitos dos fertilizantes. Entretanto, a uréia é uma boa escolha de fertilizante nestas condições, pois não acrescenta mais sal ao solo, ao contrário de outros. Depois que o solo se recupera, é aconselhável usar fertilizantes orgânicos, tais como estrume e composto, que ajudam a melhorar a estrutura do solo, o teor de matéria orgânica e os organismos vivos do solo.