A história de Minoti

Foto: Richard Hanson/Tearfund
Foto: Richard Hanson/Tearfund

O impacto do Programa de Microfinança da HEED

Elgin Saha.

Recentemente, participei de um seminário de treinamento de um dia para representantes femininas eleitas, em Fakirhat Thana Nirbahi, no sul de Bangladesh. A HEED organizou vários grupos de mulheres nesta região, e um terço das líderes eleitas eram provenientes dos nossos grupos HEED.

Foi lá que encontrei Minoti, uma das líderes eleitas, que também estava participando do seminário. Reconheci-a, porque ela costumava trabalhar como uma das nossas voluntárias da saúde 15 anos atrás. Fiquei tão surpreendido por vê-la ali, que decidi visitá-la, conversar com ela e aprender com a sua história. Como esposa de um hindu, ser eleita como representante pública local não é apenas um êxito, é um êxito surpreendente.

Minoti como voluntária da saúde do povoado 

Minoti recebeu algum treinamento para ajudá-la em sua função de parteira tradicional. Ela ajudava mulheres grávidas antes e após o parto, recebendo uma pequena remuneração por este trabalho. Com a promoção do planejamento familiar, menos bebês começaram a nascer. Assim, sua pequena remuneração ficou ainda menor. Seu marido era agricultor, mas não possuía terras suficientes para produzir alimento para o ano inteiro. Parte de suas terras haviam sido hipotecadas a um proprietário de terras da região, com o fim de obter dinheiro para pagar um tratamento de saúde para a sogra de Minoti. Como Minoti e o marido não tinham condições de pagar o dinheiro de volta, as terras permaneciam nas mãos do proprietário de terras. Infelizmente a sogra acabou morrendo de tuberculose.

Mais tarde, Minoti foi escolhida para ser Voluntária da Saúde do Povoado (VSP). Ela conseguia ganhar algum dinheiro vendendo lages para latrinas no seu povoado. Ela ganhava 20% da venda de cada lage. Durante os quatro anos em que trabalhou como VSP, ela incentivou 90% dos outros habitantes do povoado a adquirirem latrinas. Entretanto, o dinheiro que ganhava diminuiu, quando a maioria das pessoas possuíam latrinas.

Minoti começa seu próprio negócio 

Minoti, então, entrou para um grupo de poupança local organizado pela HEED. Como membro, ela recebeu seu primeiro empréstimo de duas mil takas ($30 dólares americanos), o qual usou para começar uma criação de patos e também uma pequena horta de legumes. Minoti sempre foi uma pessoa sincera e trabalhadora, e Deus também abençoou seu esforço. Com o sucesso da criação de patos e da horta, Minoti e seu marido foram capazes de recuperar as terras dele, que haviam sido hipotecadas por mais de doze anos. A causa não foi fácil, mas ela pediu ajuda à sangothan, a representante feminina eleita local.

Entretanto, seu sucesso não durou muito. A criação de camarões tornou-se muito importante na região, e os patos não podiam sair para a rua, caso eles comes-sem os filhotes de camarões. Minoti teve de mudar de negócio mais uma vez.

A granja de aves de Minoti 

Minoti pediu um empréstimo maior à HEED, a fim de começar uma granja de aves. A HEED estava recém iniciando os Programas de Microfinança como projeto-piloto. Minoti recebeu um empréstimo de 30.000 takas ($450 dólares americanos). Ela começou com 500 pintos recém nascidos. Minoti diz que Deus tem sido muito generoso em todo o seu trabalho! Já no primeiro ano, a granja de aves foi o maior sucesso. Ela teve o melhor desempenho de todas as doze pessoas que receberam os empréstimos. No ano seguinte, sua filha e seu filho tiveram bons resultados na escola. A filha agora está estudando para ser médica, e Minoti diz que esta é sua maior benção!

Minoti continua ocupada com suas galinhas. Ela tem orgulho, com toda a razão, de sua granja, onde cria galinhas para vender a carne e os ovos. Sua renda mensal agora é mais do que 10.000 takas ($150 dólares americanos). Visitei-a para saber mais sobre os motivos do seu sucesso e perguntei sobre seus planos futuros.

Minoti disse que nunca havia pretendido mudar nada ela própria. Ao invés disto, ela depende de Deus para orientá-la, à medida que as circunstâncias em sua vida mudam. “A HEED também me ajudou e me motivou a mudar o curso da minha vida. Agora meu marido está trabalhando mais tempo com as galinhas, para que eu possa trabalhar mais com a comunidade, pois fui eleita como representante feminina do nosso distrito.”

Perguntei a Minoti o que a motivou a candidatar-se à eleição. Ela respondeu: “Os hindus são um grupo minoritário aqui. Enfrentamos muito tormento e opressão. Agora estou administrando uma pequena empresa com sucesso, e todos sabem deste sucesso. Porém, se eu não tivesse me candidatado a uma posição política, ninguém me daria segurança. Agora, graças a Deus, fui eleita e possuo alguma influência e poder. Se eu for à delegacia de polícia com uma solicitação, eles, pelo menos, tentam ajudar. Sem isto, ninguém nos ouviria.”

“Como líder política de origem hindu, sempre enfrento muitas ameaças. Porém, nossos relacionamentos bons ajudaram não só a manter nossa família segura, mas também outras minorias no povoado.”

Perguntei se, como líder eleita, ela ajudaria somente as minorias. “Claro que não”, respondeu Minoti. “Tenho mais amigos muçulmanos do que hindus, e eles me ajudam muito. Muitas pessoas da comunidade muçulmana aqui também são vulneráveis.”

Perguntei a Minoti quanto faltava pagar do empréstimo da HEED e o que ela pretendia fazer a seguir. Ela respondeu que só faltava um mês para pagar e que não estava planejando fazer nenhum empréstimo imediatamente. No futuro, entretanto, ela vai pedir um empréstimo para arrendar mais terras para um projeto de criação de peixes com uma pequena cooperativa local.

Enquanto voltava para casa, continuei pensando em Minoti. Desenvolvimento pode significar várias coisas:

  • mudança
  • empoderamento
  • autoridade política
  • paz
  • vida em harmonia com os outros (segurança)
  • compartilhar a dádiva.

A história de Minoti mostra muitos indicadores do desenvolvimento bem-sucedido. O desenvolvimento é um processo contínuo, e Minoti continua considerando futuros desafios.

Como agência de desenvolvimento cristã, a HEED promove a esperança, a luz e a vida. Vi tudo isto na vida de Minoti. Ela mencionou a graça de Deus com freqüência. Todo o crédito por estas mudanças certamente pertence a Ele.

Programa de Microfinança da HEED

A HEED agora possui 80.000 clientes, dos quais 72.000 são mulheres. De um modo geral, 96% dos empréstimos são quitados. Até agora, mais de 10 milhões de libras esterlinas foram concedidas em 200.000 empréstimos separados. Os membros do grupo de poupança economizaram até agora quase um milhão de libras esterlinas.

A HEED viu que:

  • As pessoas pobres podem mostrar que merecem crédito, sem terem qualquer tipo de garantia, como terras ou prédios próprios.
  • As pessoas pobres só podem receber empréstimos através de ONGs, pois elas não satisfazem os pré-requisitos dos bancos para empréstimos.
  • É necessária uma disciplina rigorosa para desenvolver uma cultura de poupança e crédito.
  • Os empréstimos só podem ser concedidos a grupos que possam servir de avalistas para os empréstimos.

A HEED cobra uma taxa de juros de 12% para os empréstimos, dos quais 2% são mantidos num fundo de bem-estar social, usado para cobrir as dívidas não pagas. Os empréstimos devem ser pagos mensalmente dentro de 12 meses.

Elgin Saha é Diretor Executivo da HEED, um grupo de desenvolvimento cristão que tem trabalhado em Bangladesh nos últimos 25 anos. Seu endereço é PO Box 5052, New Market, Dhaka 1205, Bangladesh. E-mail: elgin@agni.com