Objetivo 1 Erradicar a extrema pobreza e a fome

Este objectivo visa reduzir pela metade o número de pessoas que ganham menos de 1 dólar por dia e de pessoas que passam fome.

Uma nova abordagem para cuidar de crianças subnutridas

Ed Walker.

No sul do Sudão, a seca e os efeitos de 20 anos de conflito resultaram numa grave escassez de alimentos em 2002, com muitas crianças extremamente subnutridas. A Tearfund respondeu a esta emergência com uma nova abordagem chamada cuidado terapêutico com base na comunidade.

Os programas de alimentação tradicionais tratam as crianças que sofrem de subnutrição grave em centros de alimentação. As crianças e as pessoas que cuidam delas geralmente ficam no centro. Assim, somente um número limitado pode ser tratado de cada vez. Esta nova abordagem com base na comunidade consiste em estabelecer muitos pontos de distribuição menores, muitas vezes, em áreas remotas. As pessoas locais ajudam a construí-los e a fornecer funcionários.

Todas as crianças subnutridas acolhidas pelo programa são examinadas. Se tiverem um apetite saudável e não tiverem nenhuma complicação médica, elas recebem suprimentos de um alimento especial chamado Plumpynut® e são mandadas para casa, aos cuidados das mães. Elas recebem suprimentos regulares de Plumpynut no ponto de distribuição local, quando vão fazer o exame médico semanal. Esta abordagem com base na comunidade diminui o tempo que as mães têm de passar longe dos outros filhos e do seu trabalho doméstico e agrícola. Isto foi apreciado especialmente no início da estação de plantação. O Plumpynut também mostrou ser muito popular com as crianças.

As crianças gravemente subnutridas, com problemas de saúde sérios ou sem apetite são mandadas para um centro de estabilização, a fim de receber cuidados médicos até se recuperarem o suficiente para voltarem para casa.

Esta nova abordagem com base na comunidade foi um sucesso no Sul do Sudão e muito popular com os habitantes locais. O programa foi capaz de cobrir uma área muito maior. Foram tratadas centenas de crianças a mais do que nos programas centralizados anteriores. Houve um alto índice de recuperação e um índice muito baixo de mortalidade. No início, os enfermeiros que haviam passado mais de cinco anos em programas de alimentação acharam estranho deixar que as crianças gravemente subnutridas saíssem do centro de tratamento. Porém, eles logo se tornaram os maiores defensores da nova abordagem. As mães que comparecem aos pontos de distribuição também recebem educação sobre a saúde e suplementos de sementes. Algumas, agora, formaram grupos de mulheres, que se encontram semanalmente para receber mais educação sobre a saúde.

Ed Walker foi o Vice-Director de Programas do programa para o Sul do Sudão da Tearfund e actualmente é o Director de Programas do programa para o Norte do Sudão.

Plumpynut®

Plumpynut® é um alimento equilibrado, feito com amendoim, óleo, sais minerais e vitaminas. Ele não precisa de ser misturado com água para ser usado, o que evita o risco de infecção causada por doenças transmitidas pela água em crianças subnutridas fracas. 

Se não houver suprimentos de Plumpynut, podem-se fazer substitutos. No Malawi, é feita uma versão local com amendoim, leite em pó desnatado, açúcar, óleo, vitaminas e sais minerais. Podem-se usar cereais e grãos de leguminosas ao invés de amendoim e leite.

Outras ideias para alcançar o Objectivo 1

  • Incentivar o acesso ao micro crédito.
  • Oferecer merendas escolares gratuitas para todas as crianças nas escolas, usando alimentos produzidos no local.
  • Melhorar a fertilidade do solo, adubando- -o, fazendo composto e usando adubos ecológicos.
  • Plantar árvores como a moringa e a leucena, que acrescentam nutrientes ao solo.
  • Incentivar o uso de hortas domésticas do tamanho de uma porta. 

Progresso do Objectivo 1 

O número de pessoas que vivem com menos de 1 dólar por dia provavelmente será reduzido pela metade devido ao progresso na Índia e na China. A incidência de subnutrição está a diminuir. Entretanto, na África Subsaariana, o número de pessoas que vivem com menos de 1 dólar por dia está a aumentar.

Embora o número de pessoas que passam fome tenha diminuído, é improvável que ele seja reduzido pela metade até 2015.