Zoonoses: como as doenças animais podem se tornar doenças humanas

A Dra. Sally Best

Uma zoonose é uma doença ou infecção naturalmente transmitida entre os animais e os seres humanos. As zoonoses causam graves problemas de saúde pública e frequentemente afetam especialmente as comunidades pobres. Embora elas geralmente possam ser prevenidas, muitas doenças zoonóticas continuam a se espalhar porque são negligenciadas pelos sistemas de saúde nacionais e internacionais. As zoonoses também são responsáveis por muitas doenças novas. Na realidade, a maioria das doenças novas surgidas nas últimas décadas foi transmitida por animais. Uma vez que também afetam a saúde animal, elas afetam a produção de alimentos e o comércio internacional de produtos animais, o qual, por sua vez, afeta o desenvolvimento econômico.

Há mais de 200 doenças zoonóticas conhecidas, causadas por toda espécie de germes que circulam entre os animais selvagens, os animais de produção domésticos ou ambos. Alguns exemplos de doenças zoonóticas que podem ser transmitidas dos animais de produção para os seres humanos são: a gripe aviária, a doença do sono, doenças transmitidas por carrapatos, tuberculose e alguns vermes. A raiva é outra doença zoonótica importante, embora os portadores sejam os cães e não os animais de produção.

As zoonoses podem ser transmitidas entre os seres humanos e os animais através de várias vias, entre elas, a exposição direta e indireta a animais, seus produtos e/ou seu meio ambiente. Por exemplo, uma infecção pode ocorrer como resultado do consumo de alimentos contaminados, de mordidas de animais, de picadas de insetos ou da contaminação do meio ambiente. Portanto, os métodos para prevenir a infecção humana variam para as diferentes doenças. Vários exemplos são descritos abaixo. É importante controlar as doenças animais para prevenir a transmissão posterior aos seres humanos e manter a saúde e a produtividade dos animais de produção.


Doença do sono humana (forma presente na África Oriental)Doença do sono humana

ANIMAIS AFETADOS: Principalmente gado.

TRANSMISSÃO: Através da picada da mosca tsé-tsé infectada.

DOENÇA HUMANA: Dores de cabeça, febre, fraqueza, dor nas juntas e rigidez no estágio inicial, enquanto os parasitas se multiplicam no sangue e na linfa. Convulsões e mudanças tanto na personalidade quanto nos padrões normais de sono ocorrem no segundo estágio (depois que o parasita chega ao cérebro) levando à morte dentro de algumas semanas ou meses.

TRATAMENTO: Procure atendimento médico, especialmente se estiver numa área onde a infecção é comum. Na maioria dos casos, esta doença pode ser curada com medicamentos, embora a chance de efeitos colaterais sérios seja muito mais baixa se a doença for tratada no início.

PREVENÇÃO E CONTROLE: Diagnóstico e tratamento precoces nos seres humanos, tratamento em massa no gado e controle da mosca tsé-tsé.


TeníaseTeníase

ANIMAIS AFETADOS:

Suínos (porcos e javalis).

TRANSMISSÃO: Quando uma pessoa ingere carne de porco crua (ou mal cozida) contendo a larva da tênia, esta pode crescer em seus intestinos tornando-se adulta e liberando ovos nas fezes. É muito provável, então, que outros membros familiares em contato próximo acabem ingerindo os ovos através de dedos, alimentos ou água contaminados. Estes ovos desenvolvem-se em cistos larvais nos tecidos humanos causando a doença.

DOENÇA HUMANA: A doença é causada por cistos larvais, os quais geralmente se desenvolvem no sistema nervoso central. Os sintomas incluem: convulsões, dores de cabeça e dificuldades de aprendizagem. Observe que as infecções por tênia nos intestinos propagam a infecção, mas não causam os sintomas da doença.

TRATAMENTO: Pode ser difícil de tratar e frequentemente é crônica. Procure orientação médica.

PREVENÇÃO E CONTROLE: Lavar as mãos após ir ao banheiro e antes de preparar alimentos ou comer é muito importante para prevenir a ingestão de ovos de tênia. A inspeção rigorosa da carne e o consumo somente de carne de porco bem-cozida também são importantes para prevenir a transmissão de tênia dos suínos para os humanos.


RaivaRaiva

ANIMAIS AFETADOS: Animais domésticos e selvagens. Os cães são a fonte de 99% das mortes humanas resultantes da raiva.

TRANSMISSÃO: Contato próximo com saliva infectada através de mordidas ou arranhões.

DOENÇA HUMANA: Depois de um período de incubação típico de 1–3 meses, sintomas como febre e sensação de agulhadas/queimadura desenvolvem-se no local da infecção. A inflamação progressiva do cérebro e da medula espinhal ocorre a seguir, e a doença é fatal se não receber tratamento.

TRATAMENTO: Consulte um médico imediatamente se tiver sido mordido. Observe que os cães com raiva geralmente se comportam de maneira normal, portanto, todas as mordidas são suspeitas. Limpar o ferimento e tomar uma vacina dentro de algumas horas após contato com um animal com suspeita de raiva pode prevenir a raiva no paciente e a possível morte.

PREVENÇÃO E CONTROLE: A vacinação antes do contato com a raiva pode prevenir a infecção. A vacinação animal (principalmente nos cães) ajuda a prevenir a propagação da doença. A vacinação humana é recomendada para os que viajam para áreas afetadas e para pessoas que lidam com animais em áreas de alto risco.

A Dra. Sally Best é uma escritora da área de medicina. Sua pesquisa de doutorado foi sobre novos métodos para diagnosticar a doença do sono humana.