HIV: mitos e verdades

Ilustração: Petra Röhr-Rouendaal, Where there is no artist (segunda edição)
Ilustração: Petra Röhr-Rouendaal, Where there is no artist (segunda edição)

As informações incorretas podem aumentar o medo e o estigma em torno do HIV (VIH), além de aumentar o risco de as pessoas transmitirem ou serem infectadas pelo vírus. Aqui estão alguns mitos sobre o HIV, seguidos de explicações de por que a verdade é diferente.

MITO 1:
“HIV e AIDS (SIDA) são a mesma coisa.”
VERDADE: O HIV é um vírus que ataca o sistema imunológico das pessoas. O HIV pode levar à AIDS, mas nem todos que têm HIV têm AIDS. Quando o HIV enfraquece o sistema imunológico a tal ponto que o organismo contrai várias infecções e doenças, chamamos essa doença de AIDS. Entretanto, com a terapia antirretroviral (TARV), é possível evitar que o HIV se transforme em AIDS.

MITO 2:
“Se você tiver o HIV, você morrerá em seguida.”
VERDADE: Nos anos 80, o índice de mortalidade em consequência da AIDS era muito alto. Agora, porém, com uma TARV adequadamente administrada, o HIV não leva necessariamente à AIDS. Com a TARV, as pessoas soropositivas podem ter uma vida longa, produtiva e saudável.

MITO 3:
“Só se pega o HIV através de comportamento sexual arriscado.”
VERDADE: Embora o HIV possa ser transmitido através do sexo desprotegido, há outras formas de se contrair o vírus.

O HIV só pode ser transmitido das seguintes maneiras:

  • fazendo sexo desprotegido (anal, vaginal ou, menos comumente, oral) com alguém que seja soropositivo;
  • usando agulhas ou lâminas não esterilizadas que foram usadas em alguém que vive com o HIV – por exemplo, ao injetar-se drogas;
  • de mãe para filho durante a gravidez, parto ou amamentação;
  • através de transfusões de sangue ou produtos sanguíneos infectados com o HIV (verifique se o sangue foi testado para ver se está infectado com o HIV).

MITO 4:
“Pode-se pegar o HIV através de beijo, abraço, usando o mesmo copo, usando o mesmo banheiro ou sendo picado por mosquitos.”
VERDADE: O HIV precisa entrar no corpo de outra pessoa para causar a infecção. Ele não é transmitido através do ar ou da água e não sobrevive por muito tempo fora do corpo humano. A saliva, o suor e as lágrimas não contêm HIV suficiente para infectar outra pessoa. O HIV não se espalha quando as pessoas se abraçam, espirram, tossem, usam o mesmo banheiro, usam as mesmas roupas, seguram ou apertam as mãos, compartilham do mesmo alimento ou da mesma bebida ou são picadas por um mosquito. A não ser que ambos os parceiros tenham feridas abertas ou cortes na boca, não há risco algum de transmissão do HIV em beijar.

MITO 5:
“Não é preciso usar camisinha durante as relações sexuais se ambos os parceiros já tiverem o HIV.”
VERDADE: Há mais de um tipo de HIV, e a pessoa pode se reinfectar com um dos outros tipos. Mesmo que ambos os parceiros vivam com o HIV, eles devem se proteger para não se reinfectarem usando sempre um preservativo e usando-o corretamente. Um agente de saúde pode dar orientação sobre como fazer isso (veja também “Sites úteis”, na página 14).

MITO 6:
“Se uma pessoa que estiver fazendo TARV se sentir melhor, ela pode parar de tomar a medicação.”
VERDADE: É muito importante que as pessoas que vivem com o HIV continuem tomando sua medicação mesmo quando se sentirem bem. Se interromperem sua TARV, a quantidade de HIV no seu organismo aumentará novamente. Fazer um intervalo no tratamento também poderá dar ao vírus uma oportunidade para se tornar resistente aos medicamentos, dificultando o tratamento.

MITO 7:
“O HIV pode ser curado com medicamentos tradicionais ou através de sexo com uma virgem.”
VERDADE: Essas ideias não são verdadeiras e são perigosas. Atualmente, não há cura para o HIV, mas, com a TARV, pode-se lidar com o vírus e controlá-lo, de forma que as pessoas possam ter uma vida saudável e produtiva.