R25 Trabalhando com organizações

Quando as pessoas se envolvem na busca de justiça para outros, elas muitas vezes precisam da ajuda, apoio e orientação de organizações não governamentais da localidade que representem interesses locais. À medida que as pessoas ganham confiança em sua habilidade de advogar em prol de mudanças positivas locais, elas podem sentir-se mais confiantes a respeito de uma atuação em escala regional.

Advogar em prol de direitos em âmbito local só pode ter um impacto limitado. Muitas vezes, é necessário buscar influenciar em escala nacional para assegurar a defesa dos direitos humanos. Isso envolve advogar em prol dos direitos em âmbito nacional ou internacional. Os funcionários de uma ONG talvez possam fornecer informações sobre questões legais, orientações sobre que ações podem ser tomadas, e estar preparados para disponibilizar os recursos materiais dos seus escritórios. Eles podem compartilhar aprendizado e registros de casos vindos de outros países. Algumas ONGs talvez possam levar questões de defesa de direitos para um nível internacional. Cristãos talvez possam considerar a possibilidade de participarem, de uma maneira mais plena, do processo decisório e da elaboração das políticas públicas do seu país tornando-se políticos.

Discussão
  • Leia Êxodo 2-5. Essas histórias a respeito de Moisés mostram diferentes estágios de defesa de direitos e diferentes abordagens que podemos usar quando advogamos em prol de uma causa. Em primeiro lugar, devemos estar plenamente conscientes da situação dos outros, devendo também sentir compaixão para com eles (Êxodo 2:11). Quem é que Deus pode estar querendo que ajudemos? Como podemos descobrir mais a respeito do que está acontecendo com eles?
  • Em Êxodo 2:15 a 3:22 aprendemos que levou muitos anos até que Moisés fosse chamado por Deus para ir ao encontro do Faraó para tirar o povo de Deus, os israelitas, do Egito. De que maneira Deus equipou Moisés (4:1-9)? De que maneira Deus pode estar nos preparando e nos equipando para adotarmos alguma ação futura? Quais são os perigos de nos colocarmos em alguma situação de maneira apressada, buscando assim ajudar as pessoas?
  • Moisés poderia ter se conservado numa posição de conforto, como neto do Faraó. Contudo, ele abriu mão de sua posição de privilégio para ajudar os israelitas. Ao buscar ajudar os outros, nós contabilizamos de antemão os custos para nós mesmos? Estamos prontos a nos sacrificarmos de alguma maneira?
  • Lemos em Êxodo 4:10-31 que Moisés recebe a ajuda de Arão e o apoio dos líderes israelitas. Conseguimos identificar outras pessoas para nos ajudar? Que organizações conhecemos que estão trabalhando com questões de defesa de direitos? Onde poderíamos obter mais informações? Quem mais poderia vir trabalhar conosco?
  • Moisés encarou dificuldades e reveses consideráveis à medida que ele tentava mudar a situação do povo (Êxodo 5 à 6:1). Como lidou com essas dificuldades? Qual foi a reação de Deus? Como lidamos com dificuldades e oposição? Como podemos lidar com as dúvidas e preocupações daquelas pessoas que estamos tentando ajudar?
  • Quais exemplos conhecemos de campanhas anteriores de defesa de direitos? Que estímulo podemos obter desses exemplos? Quais lições podemos aprender deles?
  • De que maneira as ONGs que estão trabalhando com questões de defesa de direitos podem nos encorajar e nos guiar naquilo que esperamos poder fazer?

Artigos 19, 28, 29 A Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas