Pular para o conteúdo Ir para o consentimento do cookie

Estudos bíblicos

Estudo bíblico: Cuidado com a terra de Deus

Nós nos vemos como os dominadores ou os administradores da terra de Deus?

Rev. Canonisa Dra. Claire Nye Hunter 2019

Homem da Colômbia, vestindo boné de beisebol azul e camisa pólo cinza, segura o braço direito e uma planta na mão esquerda enquanto ele entrega treinamento para uma reunião de rede juvenil.

Uma reunião regional da rede juvenil na Colômbia que se reúne pessoalmente para orar, aprenda sobre o bem Cuidados com governança e criação. Foto: Andrés Pacheco/Tearfund

Um homem de pé em uma rua de terra no Paquistão, usando um turbante e um colete amarelo luminoso

Da: Residuos – Passo a Passo 107

Orientações práticas e histórias inspiradoras sobre como lidar com os resíduos em nossas comunidades

“No princípio Deus criou os céus e a terra.” (Gênesis 1:1) 

“Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele vivem.” (Salmo 24:1) 

A terra não nos pertence – ela pertence a Deus! Ela é uma dádiva de Deus, um lar que compartilhamos com o restante da criação. Mas, com essa dádiva, vem a responsabilidade.

dominadores ou administradores? 

Leia Gênesis 1:26–31 e Gênesis 2:1–15

Em Gênesis 1, Deus disse aos seres humanos para que dominassem “sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os grandes animais de toda a terra e sobre todos os pequenos animais que se movem rente ao chão” e disse também: “Encham e subjuguem a terra” (Gênesis 1:26, 28). Esta passagem às vezes é usada para justificar o abuso da Terra. 

Algumas pessoas acreditam que a instrução “dominar” a Terra significa que temos autoridade absoluta sobre a criação. Conforme esse ponto de vista, a natureza é um recurso com o qual os seres humanos podem se beneficiar economicamente, sejam quais forem os impactos ambientais. Essa teologia tem permitido aos cristãos derrubar florestas tropicais para cultivar soja para a fabricação de ração de gado e poluir os rios com produtos residuais das minas em busca de metais preciosos. 

Para confrontar essas ideias, os cristãos voltaram-se para o segundo relato da criação em Gênesis 2. No versículo 15, os humanos foram colocados no Jardim do Éden e instruídos a “cuidar dele e cultivá-lo”. Em outras palavras, Deus incumbiu-nos com a responsabilidade de atuarmos como administradores de sua criação – cuidar, administrar, supervisionar e proteger tudo o que Deus possui. Que honra e privilégio! 

Isso não nos dá licença livre para explorar e abusar da Terra de Deus. Como administradores, precisamos agir de acordo com os melhores interesses do proprietário, tratando sua “propriedade” com respeito. Não devemos usá-la de maneira que cause danos ao nosso próximo. Um dia teremos que prestar contas a Deus de como tratamos sua Terra. 

Quando nos esquecemos de nossa responsabilidade de sermos administradores sábios, a criação geme. A Terra não pode mais lidar com as demandas que os seres humanos colocam sobre seus recursos naturais. Nossos resíduos e nossa poluição estão envenenando o ar, o solo e a água. Se continuarmos explorando e abusando da terra de Deus, o que será deixado como herança para as futuras gerações?

Deus fez de nós os administradores da sua criação. Ilustração: Petra Röhr-Rouendaal, Where there is no artist (segunda edição)

Deus fez de nós os administradores da sua criação. Ilustração: Petra Röhr-Rouendaal, Where there is no artist (segunda edição)

cuidado com a doença do “por que se preocupar?” 

Quando nos deparamos com problemas globais importantes (resultantes das atividades humanas) – como a mudança climática e a poluição da terra e do mar – é fácil sentirmo-nos arrasados. 

Poderíamos levantar as mãos e dizer: “Bem, não é minha culpa. Não há nada que eu possa fazer para evitar esses problemas. Deixe isso para os políticos”. Poderíamos pensar: “Quem se importa se eu uso sacolas de plástico, se jogo lixo pela janela do carro, etc.? Eu sou apenas uma pessoa – que diferença isso fará?”. 

Cuidado com a doença altamente contagiosa do “Por que se preocupar?” Esta é uma questão moral e espiritual. O que eu faço na minha vida diária é importante. As consequências imediatas das minhas ações podem não ser sentidas por mim, mas certamente afetarão outras pessoas. 

Deus vê e honra os esforços que fazemos, mesmo que pareçam pequenos para nós. E juntos, podemos fazer a diferença!


questões para discussão

  • Que medidas práticas positivas você pode tomar enquanto indivíduo para cuidar da preciosa criação de Deus – particularmente em relação aos resíduos? 
  • O que as pessoas da sua igreja podem fazer? 
  • Há alguma coisa que você precise parar de fazer?

Adaptado a partir de Seasons of Creation 6 (Estações de Criação 6), um recurso da Green Anglicans. Acesse www.greenanglicans.org/resources/liturgical/

  Rev. Canonisa Dra. Claire Nye Hunter

A Rev. Canonisa Dra. Claire Nye Hunter é uma sacerdotisa anglicana de Grahamstown, na África do Sul.

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outras pessoas para que elas também possam se beneficiar.

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora

Preferências de cookies

Sua privacidade e paz de espírito são importantes para nós. Temos o compromisso de manter seus dados em segurança. Somente coletamos dados de pessoas para finalidades específicas e não os mantemos depois que elas foram alcançadas.

Para obter mais informações, inclusive uma lista completa de cookies individuais, consulte nossa política de privacidade.

  • Estes cookies são necessários para o funcionamento do site e não podem ser desativados em nossos sistemas.

  • Estes cookies permitem-nos medir e melhorar o desempenho do nosso site. Todas as informações coletadas por eles são anônimas.

  • Estes cookies permitem uma experiência mais personalizada. Por exemplo, eles podem lembrar em que região você está, bem como suas configurações de acessibilidade.

  • Estes cookies ajudam-nos a personalizar os nossos anúncios e permitem-nos medir a eficácia das nossas campanhas.