Programas de empréstimo de animais

Na última década, foram iniciados programas de empréstimo ou “repassagem” de animais por todo o mundo. Geralmente, um animal é dado a um beneficiário escolhido por uma organização, órgão governamental ou igreja, com um acordo de que um determinado número de filhotes seja repassado a outros membros da comunidade ou devolvidos aos organizadores do programa para iniciar um novo projeto. Em alguns casos, especialmente com animais de carga machos (usados para a tração ou o transporte), os empréstimos são reembolsados em dinheiro, ao invés de repassar os filhotes. Estes programas já trouxeram muitas bênçãos a famílias e comunidades.

Entretanto, iniciar um programa de empréstimo de animais é um projeto sério, que não deve ser executado sem uma cuidadosa consideração e preparação. Para ajudar os leitores a pensarem sobre este processo, a Passo a Passo elaborou algumas perguntas para serem respondidas individualmente ou em grupo. Na página 10, você também encontrará orientação de organizações de várias partes do mundo que possuem seus próprios programas.

Acordos de empréstimo

  • Quantos filhotes os beneficiários precisarão repassar? Como isto será verificado?
  • Que tipo de acordo haverá?
  • Quais serão as penalidades se as pessoas não reembolsarem o empréstimo ou repassarem os filhotes conforme o acordo?
  • Como se lidará com o manejo precário ou a negligência com os animais no programa?

Forragem e água

  • De que tipo de forragem os animais precisarão? Ela pode ser encontrada no local? Se não, de onde ela virá? Ela poderia ser introduzida aos agricultores locais e cultivada no local?
  • Como é a disponibilidade de água ao longo do ano? Os animais e os seres humanos competirão pelo uso dos mesmos suprimentos de água? 

Escolha dos beneficiários

  • Há escassez de animais de produção na área?
  • Já foi introduzido algum outro método para melhorar o manejo dos animais de produção existentes? Ele foi bem-sucedido?
  • A comunidade deseja ter um programa de empréstimo?
  • Quem são os mais vulneráveis na comunidade?
  • Os beneficiários potenciais possuem recursos suficientes (terra, mão de obra, etc.) para sustentar os animais que receberem?

Saúde animal

  • Com que facilidade a comunidade pode obter acesso aos serviços de saúde animal?
  • Onde há medicamentos disponíveis para os animais?
  • Quem fornecerá os medicamentos e tratamentos preventivos de rotina?
  • Se não houver nenhum agente comunitário de saúde animal ou paraveterinário no local, a comunidade (ou alguma organização que esteja trabalhando com a comunidade) pode fazer lobby para que os serviços sejam levados até a área?
  • Que doenças são comuns na área? O que pode ser feito para prevenir que as doenças passem dos animais para os seres humanos?

Escolha do animal

  • Que tipo de animal é normalmente criado na área local? O que este animal produzirá? Este animal será capaz de contribuir significativamente para melhorar o bem-estar das famílias beneficiárias?
  • As raças locais são a melhor escolha, ou devem-se considerar outras raças? Há algum tipo de animal que seja inadequado para a comunidade por motivos religiosos?

Habitação

  • Que tipo de habitação este tipo de animal necessitará?
  • Há materiais disponíveis no local para construir a habitação?

Produtos

  • Onde as pessoas venderão qualquer produto excedente do animal (por exemplo: lã, leite ou pele)?
  • Que tipo de treinamento poderia ser oferecido para que as pessoas melhorem suas habilidades de comercialização

Conhecimento de manejo animal


  • O que os habitantes locais já sabem sobre a criação e a procriação de animais?
  • De que tipo de treinamento as pessoas poderiam precisar antes de receberem os animais? Quem fornecerá este treinamento?
  • Que treinamento poderia aumentar a produtividade (leite, carne, lã, etc.)?
  • Como o esterco produzido pelos animais será utilizado?

Com os nossos agradecimentos a Send a Cow por sua orientação para este artigo. Para ficar sabendo mais sobre o trabalho desta organização, accesse  

www.sendacow.org

.

Programas de empréstimo de animais: experiéncias de várias partes do mundo

Experiência do Afeganistão

“O Projeto de Desenvolvimento Comunitário da Região Leste (Eastern Region Community Development Project – ERCDP) treinou anciãos da comunidade e membros do Shura (comitê do povoado) sobre a importância da sustentabilidade e da autossuficiência. Como resultado, tanto os membros do Shura quanto os anciãos da comunidade estão assumindo a responsabilidade pelo programa e dispondo-se a ajudar as famílias pobres e vulneráveis atuando como fiadores de empréstimo. Eles também ajudam a selecionar os membros vulneráveis da comunidade e contribuem financeiramente para todos os aspectos do programa.”

SERVE – Afeganistão

Experiência do Malaui

“O maior impacto do programa entre os membros comunitários foi que ele alcançou muitos beneficiários vulneráveis após começar com apenas uns poucos. Eles conseguiram aumentar sua segurança alimentar ganhando dinheiro com a venda de animais. Alguns usam o dinheiro para pagar as matrículas escolares, bem como para comprar uniformes e materiais escolares para os filhos.”

EAGLES – Malaui

Experiência da Zâmbia

“Nossos pais costumavam ter muito gado bovino e caprino. Por volta de 1990, os animais começaram a morrer devido a doenças até ficarmos sem nenhum animal. Nossa vida mudou de repente: não tínhamos leite nem dinheiro para pagar nossas matrículas escolares, começamos a usar enxadas manuais para cultivar, e a demanda de fertilizantes inorgânicos aumentou porque não tínhamos esterco de vaca. Em 2008, fomos selecionados pela Brethren in Christ Church (BICC) para recebermos, como empréstimo, uma vaca e um boi para usarmos para a tração. Depois de cultivarmos a terra por dois anos, conseguimos reembolsar o empréstimo e comprar mais um boi. Agora temos mais três animais além dos dois que recebemos inicialmente.

Recebemos treinamento da BICC sobre como manejar nossos animais. Eles também nos ajudaram com materiais para construir um tanque de imersão, o qual é usado por todas as pessoas da área para seus animais. No início foi difícil manejar estes animais conforme os padrões necessários, mas agora estamos conseguindo e estamos satisfeitos. O preço dos animais é acessível, e os pagamentos são flexíveis.”

Ather Mudenda, Zâmbia (beneficiário da BICC)