Mecanização agrícola sustentável

Passo a Passo 110 - Agricultura sustentável

A Passo a Passo 110 concentra-se nas estratégias que os agricultores e criadores de animais podem usar para manter a saúde dos ecossistemas e a produtividade de suas terras agrícolas

Mecanização agrícola sustentável

Por Saidi Mkomwa

Em muitas partes do mundo, o uso excessivo de máquinas agrícolas causou sérios danos ao solo e aos recursos hídricos. No entanto, sem equipamento mecânico, a quantidade que os agricultores conseguem cultivar é limitada.

A mecanização agrícola sustentável procura facilitar o trabalho dos agricultores, enquanto minimiza o risco de danos ambientais. O uso cuidadoso das ferramentas e dos equipamentos certos deve:

  • aumentar a produtividade, por ajudar os agricultores a plantar as sementes no melhor momento, na melhor profundidade e com o melhor espaçamento;
  • tornar as tarefas repetitivas mais fáceis e rápidas;
  • evitar danos ao meio ambiente e proteger os ecossistemas;       
  • reduzir a pobreza e aumentar a segurança alimentar.

Os agricultores devem escolher as ferramentas mais adequadas para as atividades. Isso depende de suas condições financeiras, do trabalho a ser feito e de quem o fará. Por exemplo, as mulheres desempenham um papel importante em muitas comunidades agrícolas. A mecanização sustentável pode reduzir sua carga de trabalho, levando em consideração suas necessidades específicas e melhorando o acesso a máquinas apropriadas.

No caso da agricultura de conservação, o plantio feito de maneira cuidadosa e controlada evita danos ao solo e reduz a quantidade necessária de sementes e fertilizantes. No entanto, semear o solo à mão leva muito tempo. Assim, estão sendo desenvolvidas máquinas leves, como as plantadeiras manuais matracas, para facilitar essa tarefa.

As orientações da Organização para a Alimentação e a Agricultura enfatizam que a mecanização agrícola deve respeitar o meio ambiente, ser financeiramente acessível para os pequenos agricultores e capaz de atender às necessidades tanto dos homens quanto das mulheres. Além disso, é importante que essa mecanização esteja voltada para os jovens, tornando a agricultura uma opção atraente para o emprego e a criação de novos negócios.


Saidi Mkomwa é o secretário executivo e presidente da Rede Africana de Conservação da Agricultura (ACT).

E-mail: saidi.mkomwa@act-africa.org
www.act-africa.org

Purity Mgobo, no Quênia, com a plantadeira matraca que ela usou para semear sua cultura de milho. Foto: Saidi Mkomwa/ACT