Editorial

A maioria das pessoas acreditam que a criação do nosso planeta começou há muitos milhões de anos atrás. É quase impossível entendermos o significado deste período de tempo. No entanto, é mais fácil entender isto se compararmos a terra a uma pessoa de 46 anos de idade.

Não sabemos nada sobre os sete primeiros anos da vida desta pessoa e muito pouco sobre sua meia idade. Sabemos, no entanto, que a terra tinha atingido 42 anos de idade quando as mãos criadoras de Deus fizeram com que ela florescesse. Os dinossauros e grandes répteis não apareceram até um ano atrás, quando o planeta tinha 45 anos. Os mamíferos se desenvolveram pela primeira vez há oito meses atrás. A humanidade surgiu no meio da semana passada. Os seres humanos atuais estão presentes apenas há quatro horas. Durante a hora passada descobrimos a agricultura. A revolução industrial começou há apenas um minuto.

Durante estes sessenta segundos, os homens fizeram do paraíso um depósito de lixo. Causamos a extinção de muitas centenas de plantas e espécies de animais, ocasionamos uma grande destruição em nossa procura por combustível – petróleo, carvão, gás e madeira – e agora estamos aqui como crianças gananciosas com o poder de destruir a vida como a conhecemos neste lindo planeta.

O meio ambiente é o nosso patrimônio. É nosso para que cuidemos dele e o passemos a nossos filhos. A criação de Deus é um equilíbrio maravilhoso da natureza. Quando interferimos com este equilíbrio, é quase sempre impossível compreender completamente todos os efeitos desta interferência. O que está se tornando claro, no entanto, é que a destruição ambiental em todo o mundo ameaça ter sérios efeitos na criação de Deus e na vida de todos nós. Ao redor de todo o mundo vemos os resultados da destruição ambiental: florestas desmatadas e queimadas, poluição industrial, erosão do solo, desertos que crescem gradualmente, mudanças climáticas, aquecimento do globo – a lista não tem fim. No entanto, nosso uso dos recursos de Deus podem estar em harmonia com a natureza – não temos que causar destruição.

Nesta edição da Passo a Passo não podemos abordar em profundidade todas as diferentes questões relacionadas com meio ambiente. No entanto, verificamos maneiras práticas pelas quais podemos nos tornar mais conscientes de questões ambientais e desenvolver maneiras adequadas de viver. O ambiente pertence a todos nós. Vamos nos assegurar de que nossa opinião é ouvida!

Isabel Carter