Dando uma mão aos ex-presidiários

Homens reunidos numa rua do Quirguistão. Joanna Watson/Tearfund
Homens reunidos numa rua do Quirguistão. Joanna Watson/Tearfund

Em alguns locais, o estigma e a discriminação tornam-se ainda piores devido a práticas oficiais que negam às pessoas seus direitos ou as excluem da sociedade. Aqui, uma organização do Quirguistão que possui um centro de reabilitação para ex-presidiários do sexo masculino conta como os está ajudando a se reintegrarem na sociedade.

É muito difícil para os ex-presidiários do Quirguistão encontrarem emprego. Muitos deles não possuem um local de residência específico. Eles se sentem rejeitados por suas famílias e pela sociedade. Eles têm medo das autoridades responsáveis pela aplicação da lei, e muitos abusam das bebidas alcoólicas e das drogas.

Quando entram na prisão, seu passaporte e outros documentos de identidade lhes são tirados. Esta prática vem da época da União Soviética. Embora o Quirguistão tenha mudado de várias formas desde a independência, esta lei continua a mesma. Ao ser libertado, o presidiário precisa de uma referência para poder receber de volta seu passaporte. Até obter esta referência, ele tem muito pouca chance de refazer sua vida. Ele não tem renda alguma, nenhum endereço registrado e nenhum meio de conseguir um emprego. Ele não pode abrir uma conta bancária ou ir ao médico, pois ele não existe aos olhos da lei e não tem como provar sua identidade. Além disso, é difícil para os ex-presidiários obterem de volta seus documentos.

Recuperação de documentos

Criamos relações com as autoridades locais, a polícia e o Ministério da Justiça para ajudar os homens a reaver seus documentos e tentar um novo início de vida.

Antes de vir ao nosso centro de reabilitação, o presidiário é registrado na delegacia de polícia local. Nossos funcionários, que trabalham com a recuperação de documentos dos ex-presidiários, dão uma referência em nome do ex-presidiário à policia com a condição de que ele passe por um programa de reabilitação de duração de um ano no centro.

Nosso objetivo é conquistar a confiança e o respeito das autoridades locais porque elas são responsáveis por autenticar os documentos dos ex-presidiários e fornecer novos documentos, se necessário. Também trabalhamos estreitamente com os residentes locais porque sua reação inicial em relação aos ex-presidiários é de desconfiança e medo de que eles violem a lei a qualquer momento. Isto leva à rejeição e ao estigma.

Conquistando a confiança

Nossa experiência mostrou que isto pode ser superado conquistando-se a confiança das autoridades e dos habitantes locais ao mostrar que os ex-presidiários são capazes de se reintegrarem e contribuírem positivamente para a sociedade, como, por exemplo:

  • desenvolvendo sua auto-confiança e o trabalho em equipe através de projetos de construção e outras atividades
  • ajudando-os a se recuperarem de dependências
  • convidando-os a participar de programas de igrejas e eventos comunitários
  • ajudando-os a reconstruir as relações com suas famílias
  • fornecendo uma casa intermediária para lhes dar a oportunidade de aprender como viver independentemente após terem estado numa instituição (por exemplo, aprender a cozinhar, fazer compras, limpar e tomar decisões sem supervisão)
  • ensinando habilidades para a vida, tais como relacionamentos, administração de dinheiro e geração de renda.

Isto ajudou a mudar a atitude de estigmatização da sociedade em relação a estes homens. As pessoas vêem que eles têm o mesmo mérito e o mesmo valor que elas.

No final do programa de reabilitação de um ano no nosso centro, os ex-presidiários podem reaver seus documentos. Como resultado, eles readquirem sua identidade e têm a oportunidade de reconstruir sua vida. Ao tornar isto possível, esperamos confrontar as práticas oficiais antigas de uma maneira positiva para que haja mudança de longo prazo no tratamento dos ex-presidiários.

O Quirguistão é um país da Ásia Central que faz fronteira com a China ao leste. A organização que trabalha no Quirguistão foi fundada por um ex-presidiário, cuja inspiração era ajudar outros como ele.