Pular para o conteúdo Ir para o consentimento do cookie

Ser a “voz incômoda”

Um blog sobre a necessidade e o desconforto de ser a "voz incômoda": a voz do profeta que nos sacode

Escrito por Richard Serrano | 01 dez 2022

Uma estátua da deusa da Justiça do lado de fora de um edifício em Jos, na Nigéria

Uma estátua sobre o tema da justiça em Jos, na Nigéria. Foto: Steve Goddard/Tearfund

O Senhor, porém, me disse: “Não diga que é muito jovem. A todos a quem eu o enviar, você irá e dirá tudo o que eu lhe ordenar. Não tenha medo deles, pois eu estou com você para protegê-lo”, diz o Senhor. O Senhor estendeu a mão, tocou a minha boca e disse-me: “Agora ponho em sua boca as minhas palavras”. (Jeremias 1:7-9 NVI)

“Erga a voz em favor dos que não podem defender-se,
seja o defensor de todos os desamparados.
Erga a voz e julgue com justiça;
defenda os direitos dos pobres e dos necessitados”. (Provérbios 31:8-9 NVI)

Mais do que apenas sons

A propósito, não estou pensando no tom ou no timbre dos sons. Embora algumas pessoas não consigam emití-los, elas também têm uma voz que merece ser levada em conta.

Refiro-me à presença digna no lugar e no momento adequados, à coragem e à coerência das nossas opiniões, à responsabilidade de saber dizer e fazer o correto, no momento devido, mesmo que não seja a coisa mais popular.

A maioria de nós, em um momento ou outro, pode ter precisado ser a “voz incômoda” em diferentes âmbitos. Costuma ser incômodo ouvir ou dizer certas coisas. Mas o incômodo tem que ser redimensionado pelo que é justo, necessário e conveniente.

Para começar, quero esclarecer que não faço uma apologia à impertinência, à falta de tato ou às grosserias. A Bíblia está repleta de exemplos de que tolices como essas devem ser rejeitadas e exorta-nos a usar palavras sábias ou amáveis, até mesmo o silêncio oportuno. A Bíblia também promove o valor da coerência entre o que é dito (professado) e o que é feito (Tiago 1:22-27).

Por que incômoda?

Às vezes, a voz de um ser querido pode parecer incômoda, porque o que ele diz, por melhor que pareça, não agrada; pelo menos não a princípio. A voz da professora, do chefe, do namorado, da esposa, do amigo, do irmão, do colega de trabalho ou do ministro cristão pode nos incomodar. Até mesmo a voz de Deus pode nos incomodar (Gênesis 3:10-11)!

Muitas vezes, o incômodo é devido à percepção que se tem de quem o causa; é também porque expõe nossos complexos, carências e outros processos humanos e espirituais não elaborados (personalizar, supor, não distinguir entre opiniões e pessoas, soberbia e fatores semelhantes).

Não, não é tanto o dedo, mas a nossa ferida que gera incômodo em nós. Algo semelhante acontece com aqueles que se sentem incomodados ou têm dificuldade em expressar o que precisam dizer.

Muitos dos nossos incômodos têm a ver com os nossos padrões culturais, com as nossas experiências e antecedentes ou com um esquema teológico. Incomoda-nos aquilo que é distinto, que mexe com as nossas referências, que nos tira da nossa zona de conforto. Às vezes, também nos incomoda aquilo que ameaça o nosso sentido de dignidade, segurança ou poder.

A utilidade de uma voz incômoda

Uma vez, Deus propôs a um profeta a brilhante ideia de falar a um povo que não queria ouvir (Ezequiel 2:5 e 33:33). Quem quer cantar ou falar para um público indiferente? Às vezes isso acontece, e por várias razões.

  • A voz incômoda pode servir como testemunho do caráter e da vontade de Deus em um momento ou diante de uma situação apresentada, para que todos vejam que justa é a tua sentença (Salmo 51:4).
  • A voz incômoda pode livrar uma comunidade dos perigos não considerados. A voz incômoda pode chamar de volta aos propósitos divinos.
  • A voz incômoda pode enriquecer um processo formativo ou disruptivo (Atos 10 e 15).
  • A voz incômoda pode até ser uma maneira de expressar amor (Hebreus 12:6-7 e Provérbios 9:8).

Portanto, nem soberbia nem covardia, pois “Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio” (2 Timóteo 1:7).

Bendito incômodo!

A obra do Espírito pode tornar-se incômoda quando ela nos mostra nossos pecados e injustiças, procura convencer-nos e levar-nos a glorificar a Cristo com todo o nosso ser, fazer e dizer.

Assim como Paulo, quem não acha incômodo ter que fazer ou dizer o que não quer, ou deixar de fazer ou dizer o que quer? Contudo, é preferível vivermos incomodados do que sobrevivermos acomodados! Bendito incômodo que nos alinha com o Reino de Deus e sua justiça!

Hoje lembro-me de tantas pessoas que precisam ser “vozes incômodas” em suas famílias, locais de trabalho, círculos de amigos, igrejas, ministérios, espaços públicos e assim por diante. Que Deus lhes dê sabedoria para saber quando se calarem, discernimento e valor para saber quando e como falar, não importa o que aconteça, especialmente sabendo que o fazem “em nome do Senhor Jesus” (Colossenses 3:17).

Penso no incômodo que significou para Nelson Mandela, Martin Luther King, Teresa de Calcutá e outros assumirem o que assumiram pelo bem dos demais. Penso no incômodo de ter que falar sobre certos temas, encarar certas problemáticas, denunciar determinadas injustiças e fazer as propostas que o momento exige. Experimentamos ou assumimos os custos desse incômodo?

Oração

Pensemos nos incômodos inevitáveis por termos de cumprir a nossa obra como pessoas de fé a serviço da justiça, da resposta humanitária e do desenvolvimento integral das pessoas, famílias e povos atingidos pela pobreza e outros tantos tipos de violência... Assim, oremos.

Comentários

Adicionar um comentário

Ler comentários

Escrito por

Escrito por  Richard Serrano

Richard é o Gerente da equipe de Teologia e Engajamento em Redes na região da América Latina e Caribe

Compartilhe este blog

Se você achou este blog útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar

Receba nossas atualizações do blog

Cadastre-se para receber atualizações por e-mail quando publicarmos novos artigos como este, que explora a teologia por trás do nosso trabalho.

Cadastre-se agora

Preferências de cookies

Sua privacidade e paz de espírito são importantes para nós. Temos o compromisso de manter seus dados em segurança. Somente coletamos dados de pessoas para finalidades específicas e não os mantemos depois que elas foram alcançadas.

Para obter mais informações, inclusive uma lista completa de cookies individuais, consulte nossa política de privacidade.

  • Estes cookies são necessários para o funcionamento do site e não podem ser desativados em nossos sistemas.

  • Estes cookies permitem-nos medir e melhorar o desempenho do nosso site. Todas as informações coletadas por eles são anônimas.

  • Estes cookies permitem uma experiência mais personalizada. Por exemplo, eles podem lembrar em que região você está, bem como suas configurações de acessibilidade.

  • Estes cookies ajudam-nos a personalizar os nossos anúncios e permitem-nos medir a eficácia das nossas campanhas.