Ir para o consentimento do cookie

Da: Cuidados de saúde sustentáveis – Passo a Passo 37

Trabalho conjunto para estabelecer prioridades de saúde e melhorar a prestação de serviços de saúde locais

A Falta de medicamentos é causada por muitos factores. Muitos países, especialmente de África, não adotaram uma lista de medicamentos essenciais para garantir um bom abastecimento dos medicamentos mais usados. Talvez não exista uma quantidade suficiente de moeda estrangeira para importar as matérias-primas necessárias para produzir os medicamentos dentro do país. Podem ser perdidos medicamentos por causa de roubos, de uma armazenagem ruim e devido ao vencimento da data de validade. Quando os medicamentos são receitados aos pacientes, podem ser perdas adicionais através do uso desnecessário de injeções, de erros na preparação de receitas ou quando é receitada uma quantidade superior à que é necessária. Os pacientes também podem desperdiçar medicamentos que lhes foram receitados se não tiverem a certeza de qual é a dose correta, se não tiverem confiança no pessoal de saúde ou se não terminarem o tratamento, por se sentirem melhor.

Fazendo o paciente pagar

Devido à contínua redução no financiamento dos serviços de saúde (geralmente causada pela dívida que os países do terceiro mundo possuem), há uma grande pressão no sentido de manter o nível de salários do quadro de pessoal, fazendo com que os fundos disponíveis para a compra de medicamentos sejam reduzidos ainda mais. Todas essas dificuldades intensificam as tentativas dos governos e dos programas de saúde no sentido de conseguirem recursos para a compra de medicamentos directamente dos pacientes.

A Iniciativa de Bamako foi um acordo feito em 1987 entre os ministros africanos da área da saúde, com o apoio da OMS e da UNICEF. Essa iniciativa procura incentivar a participação da comunidade na administração e no financiamento de medicamentos essenciais. É baseada nos oito princípios que são mencionados no quadro acima. Os vários países têm tentado colocar esses princípios em práctica de maneiras bem diferentes.

Quênia

O governo desse país tem incentivado o estabelecimento de ‘farmácias comunitárias’ sob a administração de agentes comunitários de saúde. As farmácias armazenam entre nove e doze medicamentos essenciais, os quais são vendidos a um preço que cobre o custo do medicamento e um lucro, que é retido pelos agentes comunitários de saúde. Além disso, eles também vendem mosquiteiros tratados com inseticida a um preço subsidiado. As pessoas locais apoiam essa iniciativa e acham que os preços são justos, apesar de que muitas pessoas têm dificuldades para pagar. Estes agentes estão animados por poderem ganhar um sustento. No entanto, há o perigo de que uma quantidade excessiva de medicamentos seja receitada desnecessariamente, visando lucro.

Guiné

O governo da Guiné, na África Ocidental, apoia os serviços integrais de cuidados primários de saúde. As taxas cobradas pelos diagnósticos mais comuns são tabeladas em todo o país. Isso inclui medicamentos para tratamento e os cuidados de que o paciente necessita posteriormente.

Gana

Foram formados grupos de debates (por Waddington e Enyimayew) na região de Volta, em Gana, para examinar a atitude das pessoas quanto ao pagamento dos serviços de saúde. As taxas cobradas pelos serviços de saúde não foram a única questão considerada. Os seguintes factores, de igual importância, também foram considerados: a atitude do pessoal de saúde, a disponibilidade dos medicamentos, se os pagamentos podiam ser feitos em prestações ou em géneros, ou se havia crédito disponível.

República Dominicana

Uma pesquisa realizada neste país (por Bitran) constatou que as pessoas pagariam por serviços particulares e de boa qualidade na área da saúde em preferência aos serviços governamentais, que eram considerados de má qualidade e sofriam a falta de medicamentos, apesar de serem gratuitos ou de baixo custo.

As informações contidas nesta página foram retiradas de análises e investigações profundas que foram realizadas pela Dra Barbara McPake e outros profissionais da Seção de Política Sanitária, London School of Hygiene and Tropical Medicine, Keppel St, London, WC1E 7HT, Inglaterra.

 

Os oito princípios

Conteúdo com tags semelhantes

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora

Preferências de cookies

Sua privacidade e paz de espírito são importantes para nós. Temos o compromisso de manter seus dados em segurança. Somente coletamos dados de pessoas para finalidades específicas e não os mantemos depois que elas foram alcançadas.

Para obter mais informações, inclusive uma lista completa de cookies individuais, consulte nossa política de privacidade.

  • Estes cookies são necessários para o funcionamento do site e não podem ser desativados em nossos sistemas.

  • Estes cookies permitem-nos medir e melhorar o desempenho do nosso site. Todas as informações coletadas por eles são anônimas.

  • Estes cookies permitem uma experiência mais personalizada. Por exemplo, eles podem lembrar em que região você está, bem como suas configurações de acessibilidade.

  • Estes cookies ajudam-nos a personalizar os nossos anúncios e permitem-nos medir a eficácia das nossas campanhas.