Pular para o conteúdo Ir para o consentimento do cookie
As inundações no Paquistão, em 2010, afetaram 20 milhões de pessoas. Foto: Ashraf Mall/Tearfund

Da: Gestão de desastres – Passo a Passo 88

Como se preparar para os desastres e reduzir o risco de que eles ocorreram

Pessoas deslocadas são aquelas que deixaram a área em que normalmente vivem porque sua vida ou seu meio de sustento estava em perigo. Elas se mudaram para uma nova área para evitar mais perdas de vidas e pertences e por causa do risco de novos desastres. Os desastres naturais são uma das principais causas do deslocamento. As ameaças como os tsunamis, os terremotos, as erupções vulcânicas, as inundações, os vendavais e as secas podem destruir ou danificar moradias e meios de sustento a ponto de não ser mais seguro ou viável para as pessoas permanecerem em casa.

As comunidades e as organizações locais, tais como a igreja local e outros grupos religiosos, frequentemente já se encontram numa boa posição para responder imediatamente à chegada de pessoas deslocadas. Muitas vezes, o desejo de ajudar as pessoas que precisam é forte, mas os aspectos práticos de lidar com a chegada repentina de um grande grupo de pessoas podem ser difíceis.

Aqui estão alguns dos problemas que as pessoas deslocadas geralmente enfrentam:

  • Elas podem estar em mau estado de saúde ou nutrição.
  • Elas podem não ter tido condições de trazer artigos domésticos essenciais ou alimentos.
  • Elas podem não possuir bens porque os perderam no desastre, venderam para conseguir dinheiro ou porque foram roubados.
  • Elas podem não ter documentos de identidade e/ou viagem.
  • Elas podem não ter acesso a terras e empregos.
  • Elas podem ter acesso limitado aos mercados na sua nova região.
  • Elas podem não ter acesso aos serviços de saúde, à educação ou a outros serviços sociais disponíveis aos habitantes locais.
  • Elas podem estar traumatizadas e precisando de apoio social e/ou aconselhamento.
  • Pode haver membros familiares separados, inclusive crianças separadas dos pais.
  • As mulheres e as crianças, particularmente, podem estar vulneráveis à exploração sexual ou à violência.
  • As comunidades locais podem ser hostis à chegada das pessoas deslocadas e podem não estar dispostas a dividir recursos, especialmente se estes recursos forem escassos.
  • Os governos locais podem ver as pessoas deslocadas como uma ameaça para a paz e a estabilidade no local e podem procurar contê-las em campos ou outros espaços confinados.

Como responder 

Responder às necessidades das pessoas deslocadas exige generosidade e um desejo de “amar o próximo”. É provável que a sua comunidade já possua recursos consideráveis para oferecer em resposta às necessidades das pessoas deslocadas, mesmo que você não possa satisfazer todas as necessidades delas.

  • Podem-se usar equipamentos e instalações como prédios de igrejas, um saguão ou uma escola como abrigo temporário rápido e acessível para pessoas traumatizadas. As propriedades onde eles estão localizados oferecem proteção adicional.
  • Podem-se usar equipamentos e utensílios (às vezes mantidos para alimentar um grande número de pessoas em casamentos ou outras celebrações) para alimentar as famílias deslocadas.
  • Voluntários podem preparar alimentos locais para as pessoas comerem e organizar distribuições dentro do campo.
  • Os líderes comunitários geralmente são capazes de mobilizar e motivar as pessoas para responder rapidamente.
  • Os conhecimentos e o idioma locais podem ajudar a orientar as pessoas deslocadas para tomarem decisões fundamentais enquanto estão num ambiente social complexo e estranho.
  • As comunidades religiosas também podem oferecer apoio emocional e oração às pessoas que perderam um ente querido ou estão sofrendo de estresse.

Para obter orientações mais práticas sobre como responder às necessidades das pessoas deslocadas, leia o capítulo quatro de Disasters and the Local Church. Para obter o recurso, acesse o site TILZ ou encomende um exemplar impresso (para mais informações, veja a página de Recursos). 

O conflito também é uma das principais causas de deslocamento. Entre janeiro e outubro de 2011, quase 326.000 pessoas foram internamente deslocadas devido a conflito no Sudão do Sul (Apelo Consolidado das Nações Unidas de 2012 para o Sudão do Sul). Foto: Layton Thompson/Tearfund

O conflito também é uma das principais causas de deslocamento. Entre janeiro e outubro de 2011, quase 326.000 pessoas foram internamente deslocadas devido a conflito no Sudão do Sul (Apelo Consolidado das Nações Unidas de 2012 para o Sudão do Sul). Foto: Layton Thompson/Tearfund

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outras pessoas para que elas também possam se beneficiar

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora

Preferências de cookies

Sua privacidade e paz de espírito são importantes para nós. Temos o compromisso de manter seus dados em segurança. Somente coletamos dados de pessoas para finalidades específicas e não os mantemos depois que elas foram alcançadas.

Para obter mais informações, inclusive uma lista completa de cookies individuais, consulte nossa política de privacidade.

  • Estes cookies são necessários para o funcionamento do site e não podem ser desativados em nossos sistemas.

  • Estes cookies permitem-nos medir e melhorar o desempenho do nosso site. Todas as informações coletadas por eles são anônimas.

  • Estes cookies permitem uma experiência mais personalizada. Por exemplo, eles podem lembrar em que região você está, bem como suas configurações de acessibilidade.

  • Estes cookies ajudam-nos a personalizar os nossos anúncios e permitem-nos medir a eficácia das nossas campanhas.