Foto: Esther Harder

Da: Trocando idéias – Passo a Passo 75

Leitores da Passo a Passo compartilham ideias relacionadas com seu trabalho

Foto: Loiboku Jeremy

Foto: Loiboku Jeremy

As pessoas que vivem em regiões secas e inférteis freqüentemente enfrentam o problema de obter verduras e frutas frescas, as quais são essenciais para uma vida saudável. Às vezes, as pessoas podem ter dinheiro para comprar estas mercadorias essenciais, mas estas podem estar em falta. E quando há frutas e verduras para venda, elas podem estar em más condições, devido ao transporte do produtor até o consumidor.

Recentemente conheci um senhor de idade que encontrou uma solução para o problema da falta de verduras no seu povoado. Wamba é um povoado no distrito de Samburu, na Província do Vale do Rift, no Quênia. Ele está situado numa região seca, semi-árida, longe dos povoados quenianos que produzem frutas e verduras. O solo é arenoso, as temperaturas são altas, chove pouco e a maioria das pessoas é pobre e depende da assistência do governo na forma de suprimentos.

O problema

Há poucas oportunidades de emprego no local, e as pessoas dependem dos alimentos trazidos por comerciantes de povoados situados a 100 km de distância. As frutas e verduras sempre chegam aos habitantes de Wamba em más condições, por terem ficado expostas ao calor e a condições adversas durante o transporte. Além disso, essas mercadorias são vendidas somente uma vez por dia, o que significa que as pessoas têm de ficar esperando a sua chegada à noite, e não há frutas e verduras durante o fim-desemana.

Uma oportunidade

Em 2006, foi perfurado um poço na margem de um rio que corre perto do povoado. O objetivo do poço era trazer água potávelpara os habitantes pobres. Entretanto, o Sr. Stanley Lekutai, um habitante idoso do povoado, viu outra oportunidade de uso para o poço. O Sr. Stanley tinha conhecimento de práticas agrícolas e sabia como plantar verduras e cuidar das colheitas. Ele achava que podia contar com o poço e começar uma horta para produzir verduras para os habitantes locais. A maior parte das terras de Wamba é pública, e ele sabia que podia conseguir um pedaço sem problema algum. Por causa da má qualidade e da falta de suprimento constante das verduras, o Sr. Stanley sabia que havia uma alta demanda por verduras frescas. E como 90% dos habitantes do povoado estavam desempregados, ele também sabia que podia formar uma equipe com eles e começar uma horta grande o suficiente para abastecer o povoado inteiro com os produtos necessários.

O Sr. Stanley decidiu experimentar a idéia. Ele se encontrou com funcionários da organização que havia construído o poço e conversou sobre sua idéia com eles. Eles concordaram em deixá-lo usar o poço de água para cultivar verduras. O Sr. Stanley voltou ao povoado, conversou com algumas mulheres sobre seus planos, explicou sua idéia e prometeu ensiná-las a cultivar a terra. Ele convenceu 15 mulheres, e, juntos, começaram a horta.

O método

  1. Eles dividiram o terreno de 100 x 50 metros em canteiros menores e designaram cada um deles a uma pessoa específica. Como o Sr. Stanley sabia que o solo não era muito fértil, ele aconselhou as participantes do grupo a primeiro retirar a camada superficial do solo e amontoá-la em algum lugar.
  2. Eles retiraram a camada inferior do solo para fazer um buraco nos canteiros e amontoaram a terra retirada na borda da horta.
  3. Ao longo da borda mais baixa da horta, eles cavaram uma vala e amontoaram a terra ao longo do perímetro da horta. Esta vala e este morrinho de terra serviriam para escoar a água da chuva para fora da horta e evitar que ela se inundasse.
  4. Eles fizeram uma cerca com galhos de acácia ao redor da horta e buscaram uma camada superficial de solo de regiões mais férteis. Esta terra foi misturada com esterco de vaca e espalhada no buraco dos canteiros.
  5. O Sr. Stanley, então, fez um viveiro e plantou couve-de-folhas, espinafre e repolho com sementes que a Missão Católica vizinha e as ONGs locais o ajudaram a comprar. O grupo aguou o viveiro até que as mudas estivessem prontas para serem transplantadas para a horta.

Benefícios

As mudas transplantadas cresceram muito bem. O Sr. Stanley e suas parceiras começaram a colher as verduras e vendê-las a outros habitantes do povoado por um bom preço. Os habitantes ficaram sabendo da horta e, agora, eles se aglomeram no local, ao meio-dia e à noite, para comprar verduras para suas refeições.

O Sr. Stanley e suas parceiras tiveram muitos benefícios resultantes do seu trabalho, pois agora têm:

A criação de uma horta também atraiu várias organizações para o seu povoado, que prometeram ajudar o Sr. Stanley e seu grupo a obter o auxílio de que precisam, como, por exemplo, para comprar pesticidas e sementes. Os habitantes locais também admiram a horta, a qual já visitaram com as escolas da região para aprender mais sobre sua criação e gestão. A horta mostrou que é possível cultivar verduras frescas em regiões semi-áridas também.

Loiboku Jeremy,  Ereto Group,  PO Box 43, 60300 Isiolo,  Quênia.
E-mail: Leah20ke@yahoo.com


Como plantar num saco

Uma nova idéia que aprendemos recentemente é usar um saco para plantar verduras. Espero que esta idéia ajude os leitores da Passo a Passo por todo o mundo. Esta idéia pode funcionar tanto em regiões urbanas quanto em regiões rurais e remotas.

Pastor George Guyo Wako, Africa Inland Church, Titila, c/o Box 21028, 00505, Nairobi, Quênia.

Conteúdo com tags semelhantes

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora