Turistas usando a passarela suspensa de Mida Creek, construída com o fim de levantar verbas para mandar as crianças para a escola secundária e para mostrar um forte compromisso com a conservação. Foto: Colin Jackson

Da: Recursos naturais – Passo a Passo 82

Como cuidar dos preciosos recursos naturais dos quais todos nós dependemos

A floresta de Arabuko-Sokoke, no Quênia, é o que resta de uma floresta litorânea da África Oriental que se estendia desde a Somália até Moçambique. Ela agora tem apenas 40 km de comprimento e precisa de proteção internacional urgente. Ela abriga muitas plantas, animais e pássaros, como o belamente chamado musaranho-elefante de rabo dourado, que correm risco de extinção.  Este é um lugar lindo. Dentro de suas fronteiras cada vez mais constritas, há uma diversidade de vida quase inimaginável. Se esta floresta desaparecesse, um verdadeiro tesouro em termos de espécies desapareceria com ela. Este fragmento do que resta da floresta litorânea é realmente importante.

Desde que a filial queniana da organização de conservação A Rocha começou, em 1998, a equipe inclui pessoas da região, que trabalham lado a lado com voluntários e visitantes de locais mais ricos. Juntos, eles começaram a procurar soluções para evitar que os habitantes locais destruíssem a floresta para a sua sobrevivência. Eles perceberam que os especialistas diziam coisas diferentes. Alguns diziam que era mais importante proteger o meio ambiente, outros diziam que era mais importante ajudar os habitantes locais a saírem da pobreza. Isto sugeria um conflito entre o meio ambiente e as pessoas. Entretanto, os estudos da organização A Rocha mostravam que a floresta estava intimamente relacionada com o bem-estar da enseada, a qual abastecia a pesca local, com o clima local, essencial para as culturas, e com os solos, os quais eram cultivados.

Após um longo processo de consulta, a equipe finalmente começou a entender por que a floresta estava sendo destruída. Aproveitando a confiança duramente conquistada dos seus amigos locais, eles ficaram sabendo que a maior parte da madeira estava sendo cortada para pagar as mensalidades das escolas secundárias. Todos sabiam que a educação era a única maneira de uma família conseguir sair da pobreza. Somente uma em cada dez crianças com as notas necessárias conseguia passar da escola primária gratuita para o ensino secundário por causa do preço das mensalidades.

Para satisfazer as necessidades urgentes das pessoas e da floresta, em 2001, a equipe da organização A Rocha começou um programa chamado ASSETS – The Arabuko-Sokoke Schools and Eco-Tourism Scheme (Sistema de Escolas e Eco-Turismo Arabuko- Sokoke). A idéia era simples. O programa treinava guias locais para trabalhar com os hotéis de Watamu, localizada perto da floresta, de maneira que os turistas pudessem visitar a floresta por uma pequena quantia. O Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas e outras agências ofereceram verbas de inicialização para um ponto de observação na copa das árvores e uma passarela espetacular que passa pelo mangue em Mida Creek. Através deste projeto, a floresta e a enseada tornaram-se a base de um empreendimento comercial que oferece uma renda sustentável. Os turistas gostam de ver locais impressionantes como este, e o dinheiro gasto por eles é usado para pagar as mensalidades da escola secundária das crianças locais.

Agora, há duzentas crianças na escola secundária, e está sendo realizado um amplo programa de reflorestamento e educação em muitos povoados pela floresta. As pessoas entenderam que Mida Creek precisa do abastecimento garantido de água da chuva da floresta para sobreviver. As franjas dos mangues da enseada, que costumavam ser cortadas para prover lenha, agora estão seguras como viveiros para as espécies de peixes de que as pessoas dependem para o seu consumo de proteína.

Na mente dessas pessoas, e agora na nossa, tudo está conectado da maneira como Deus pretendia. No início, é difícil ver a relação entre mensalidades escolares e a sobrevivência do mocho-de-orelhas de Sokoke, mas nós agora entendemos que a prosperidade do ser humano está intimamente ligada ao bem-estar da criação mais ampla.

Stanley Baya, Coordinator
Arabuko-Sokoke Schools and Ecotourism Scheme
PO Box 383
Watamu, 80202
Quênia

Esta história também é contada em Kingfisher’s Fire:
A story of hope for God’s world, de Peter Harris.

A Rocha é uma organização de conservação internacional, cujo trabalho é mostrar o amor de Deus por toda a sua criação. Ela atualmente possui projetos de conservação em 19 países ao redor do mundo.

Site: www.arocha.org

Mocho-de-orelhas de Sokoke (Otus ireneae) – uma das espécies em maior risco de extinção encontradas em Arabuko-Sokoke e a menor coruja da África. Foto: Steffen Forster

Mocho-de-orelhas de Sokoke (Otus ireneae) – uma das espécies em maior risco de extinção encontradas em Arabuko-Sokoke e a menor coruja da África. Foto: Steffen Forster

Conteúdo com tags semelhantes

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar