Ir para o consentimento do cookie
As inundações no Paquistão, em 2010, afetaram 20 milhões de pessoas. Foto: Ashraf Mall/Tearfund

Da: Gestão de desastres – Passo a Passo 88

Como se preparar para os desastres e reduzir o risco de que eles ocorreram

Residentes de Porto Príncipe, no Haiti, trabalhando juntos para limpar os escombros após um grande terremoto em 2010. Foto: Richard Hanson/Tearfund

Residentes de Porto Príncipe, no Haiti, trabalhando juntos para limpar os escombros após um grande terremoto em 2010. Foto: Richard Hanson/Tearfund

Os desastres fazem parte da vida diária de uma grande parte da população mundial. A cada ano, ocorrem entre 600 e 800 desastres naturais, alguns pequenos e localizados, outros que afetam vários países e milhares de pessoas.

De acordo com o Relatório Mundial sobre Desastres de 2010, mais de 304 milhões de pessoas foram afetadas por desastres naturais somente naquele ano, e quase 300.000 perderam a vida. Na China, 134 milhões de pessoas foram afetadas por graves inundações, enquanto que, no vale do rio Indo, no Paquistão, 20 milhões sofreram em inundações. As ameaças naturais em si podem ser difíceis, se não impossíveis, de evitar. Por exemplo, um terremoto caracteriza-se por forças subterrâneas enormes e incontroláveis. Porém, uma ameaça sozinha nem sempre causa um desastre. Se uma comunidade tiver pontos fracos (ou vulnerabilidades), a ameaça poderá causar danos e mortes, resultando, então, num desastre. O processo de redução dessas vulnerabilidades é conhecido como Redução do Risco de Desastres.

A vulnerabilidade é criada por vários fatores como, por exemplo:

A pobreza também é um fator fundamental que força muitos a viverem em moradias improvisadas, localizadas em locais inseguros, muitas vezes, com fontes de renda incertas, serviços precários e pouca infraestrutura.

Por este motivo, em 2010, 97% das pessoas afetadas por desastres e 80% das pessoas mortas viviam em países que seriam considerados de média renda ou menos desenvolvidos.

Nos últimos anos, a mudança climática aumentou a frequência e a intensidade de algumas ameaças meteorológicas. O derretimento mais rápido da neve, o aumento nos níveis do mar e os padrões meteorológicos imprevisíveis aumentaram as inundações e as secas. As comunidades estão sendo expostas a ameaças extremas, novas para elas. A atividade humana, como o desmatamento de florestas ou o cultivo em declives íngremes, pode causar a degradação do meio ambiente e aumentar o risco de inundações ou deslizamentos de terras.

Embora a situação possa parecer sombria, muita coisa pode ser feita para reduzir os riscos e criar comunidades mais seguras e menos vulneráveis. Em 2005, os 168 Estados-Membros das Nações Unidas comprometeram-se em reduzir as perdas resultantes de desastres através de um plano chamado Marco de Ação de Hyogo. O plano também sugere as melhores práticas para qualquer projeto que procure construir comunidades mais seguras. Um bom projeto deve:

Houve algum progresso, especialmente no âmbito comunitário: foram formados Comitês de Gestão de Desastres locais; foram realizadas avaliações de riscos; foi feito lobby junto a departamentos governamentais para mudar as políticas de desastres; foram treinadas equipes de voluntários; e foram estabelecidos sistemas de alerta precoce. Em alguns locais, foi planejada uma série completa de atividades para serem realizadas em caso de risco de alguma ameaça específica. Isto é conhecido como plano de contingência.

Ainda há muita coisa que precisa ser feita para reduzir o número de mortes e outras perdas nos desastres naturais. É importante assegurar que tanto o governo nacional quanto o governo local tenham os seus próprios planos de contingência. A preparação precisa ser flexível para atender a ameaças novas ou mais extremas causadas pela mudança climática. Em 2009, um grupo de agências publicou um recurso chamado Characteristics of a Disaster-Resilient Community (Características de uma Comunidade Resiliente aos Desastres), o qual descreve o que veríamos se visitássemos uma comunidade capaz de responder e se recuperar rapidamente de um desastre. Estas características incluem:

Com uma forte participação comunitária e uma boa combinação de atividades, é possível realizar o sonho de tornar o povoado um lugar mais seguro. A igreja local ou outros grupos de base comunitária podem ajudar a mobilizar e equipar a comunidade para agir usando seus próprios recursos. As comunidades podem ser desenvolvidas de forma a resistirem às ameaças atuais e se prepararem para as ameaças que a mudança climática pode trazer no futuro.

O ciclo do desastre

Os desastres frequentemente se repetem no mesmo local – anualmente ou com um intervalo de alguns anos. Uma vez que as necessidades imediatas numa área de desastre foram atendidas, inicia-se o trabalho de reconstrução. Este é acompanhado da aprendizagem através da experiência do desastre e do planejamento para reduzir o risco de futuros desastres. 

RESPOSTA EMERGENCIAL Nos primeiros dias e semanas logo após um desastre, é preciso fazer buscas e resgates, prestar cuidados médicos e prover alimentos, água, saneamento e abrigo bem como apoio emocional.

REABILITAÇÃO À medida que as semanas vão passando, as moradias precisam ser consertadas, os suprimentos de água, restaurados, e os meios de vida, restabelecidos. Muitas vezes, a reabilitação é chamada de recuperação.

MITIGAÇÃO Estas atividades ajudam a “reconstruir melhor”, tornando a comunidade mais resistente às futuras ameaças. A mitigação está intimamente ligada à reabilitação – por exemplo, moradias mais fortes ou elevadas, bombas de água sobre plataformas elevadas, culturas alternativas que enfrentem melhor as inundações ou secas.

PREPARAÇÃO Isto significa preparar-se para a próxima tempestade ou inundação como, por exemplo, estabelecendo um sistema de alerta, reservando suprimentos de alimentos ou água, preparando um centro de evacuação ou treinando voluntários.

O recurso Characteristics of a Disaster-Resilient Community pode ser baixado no site TILZ ou pode-se solicitar um exemplar escrevendo para a Editora.

1 Resposta emergencial
2 Reabilitação
3 Mitigação
4 Preparação

O ciclo do desastre

Conteúdo com tags semelhantes

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora

Preferências de cookies

Sua privacidade e paz de espírito são importantes para nós. Temos o compromisso de manter seus dados em segurança. Somente coletamos dados de pessoas para finalidades específicas e não os mantemos depois que elas foram alcançadas.

Para obter mais informações, inclusive uma lista completa de cookies individuais, consulte nossa política de privacidade.

  • Estes cookies são necessários para o funcionamento do site e não podem ser desativados em nossos sistemas.

  • Estes cookies permitem-nos medir e melhorar o desempenho do nosso site. Todas as informações coletadas por eles são anônimas.

  • Estes cookies permitem uma experiência mais personalizada. Por exemplo, eles podem lembrar em que região você está, bem como suas configurações de acessibilidade.

  • Estes cookies ajudam-nos a personalizar os nossos anúncios e permitem-nos medir a eficácia das nossas campanhas.