Em comunidades ao redor de todo o mundo, as redes formadas por igrejas estão alcançando as pessoas mais vulneráveis em áreas que não podem ser alcançadas pelas ONGs. A Tearfund está comprometida em trabalhar com a igreja local e acredita no potencial ilimitado da igreja para alcançar pessoas e exercer influência a fim de promover mudanças em suas comunidades e através delas. 

Acreditamos em apoiar a igreja, em âmbito local e nacional, para atender ao seu chamado para ser sal e luz no mundo e servir as pessoas que vivem na pobreza. Acreditamos que a pobreza resulta do rompimento dos relacionamentos com Deus, com nós mesmos, com outros e com a criação. A igreja tem um papel fundamental a desempenhar para ajudar a restaurar esses quatro relacionamentos rompidos, promovendo a transformação em todos os aspectos da vida das pessoas e das comunidades.

As igrejas não devem se fechar em torno de si mesmas: pelo contrário, elas são chamadas a ir às comunidades, restaurar os que estão sofrendo e atender às necessidades das pessoas – sejam elas físicas, espirituais, emocionais, econômicas, ambientais ou sociais. A abordagem da Tearfund é compartilhar a visão com as igrejas e prepará-las de maneira prática para trabalhar com a comunidade local, identificando necessidades e mobilizando recursos para trazer restauração e transformação.

Saiba mais sobre nossa abordagem baseada na fé

Uma visão para a missão integral

Inspirar e preparar as pessoas na liderança das igrejas para conduzir suas congregações e denominações na missão integral é o primeiro passo para promover a transformação em todas as áreas da vida em suas igrejas e comunidades. Chamamos isso de “compartilhar a visão para a missão integral”.

Assim que as igrejas e sua liderança compreendem a visão de Deus de comunidades transformadas, bem como seu propósito para o trabalho da igreja em parceria com ele, elas naturalmente desejam agir e responder às necessidades das comunidades ao seu redor. A maneira como a igreja e a comunidade respondem às necessidades identificadas varia e pode incluir:

Envolvimento da liderança da igreja

A liderança da igreja é importante, pois ela pode tanto possibilitar quanto impedir o processo de mobilização de suas igrejas. Depois de abraçar a visão, essas pessoas podem liberar o potencial de sua congregação de modo que os membros possam ministrar uns aos outros e também à comunidade.

As pessoas na liderança das igrejas geralmente são respeitadas dentro de suas comunidades e têm potencial para exercer grande influência. Elas frequentemente atuam como modelos dentro de sua comunidade. Trabalhar com outras lideranças de igrejas na comunidade pode ser uma forma de demonstrar união e amor. A força das denominações eclesiásticas e das igrejas locais é amplamente afetada pela força de sua liderança. Por exemplo, é difícil mudar as atitudes de uma igreja diante de questões como o HIV ou gênero, a não ser que as pessoas na liderança estejam comprometidas com tal mudança.

Trabalho com as denominações

O processo de compartilhamento da visão pode ser aplicado a uma única igreja, um grupo de igrejas ou uma denominação inteira. Para compartilhar a visão com as denominações, é necessária uma abordagem levemente diferente, pois o compromisso com a missão integral pode envolver mudanças organizacionais significativas e uma reorientação da visão e estrutura. Essa mudanças capacitarão cada igreja local dentro da denominação em questão para agir a fim de atender às necessidades da comunidade. Trabalhar através de denominações inteiras permite que um grande número de igrejas sejam mobilizadas rapidamente se houver um forte apoio e adesão de seus/suas principais líderes. 

Mobilização de igrejas e comunidades

Uma vez que as igrejas e suas lideranças tiverem abraçado a missão integral, elas poderão ser mobilizadas para agir e responder às necessidades de suas comunidades locais. Em um contexto rural, as necessidades de uma comunidade local claramente definida, tal como um povoado, seriam atendidas. Porém, em um contexto urbano ou na periferia de uma cidade, o conceito de “comunidade local” pode ser menos claro, e pode ser necessário, em primeiro lugar, defini-lo.

Depois de abraçar a visão, a igreja local tem duas opções:

No trabalho de mobilização de igrejas, as iniciativas resultantes não são normalmente predeterminadas, mas sim baseadas nas necessidades da comunidade identificadas pela igreja. Às vezes, porém, uma igreja decide abordar uma questão específica e predeterminada (por exemplo, violência sexual e de gênero ou poupança e empréstimos) na comunidade e elabora os devidos programas ou projetos. A mobilização de igrejas pode ser particularmente adequada em contextos em que os cristãos forem uma minoria marginalizada, sem voz na comunidade ou se estiverem procurando ter uma voz profética para mudar as normas sociais.

No trabalho de mobilização de igrejas e comunidades, a igreja local trabalha com sua comunidade local para, juntas, identificarem e responderem às suas necessidades. É essencial ter facilitadores eficazes e comprometidos para que essa abordagem seja bem-sucedida, pois esse trabalho pode levar vários anos. O processo é aberto, e as iniciativas resultantes são geridas pela igreja e pela comunidade juntas. A mobilização de igrejas e comunidades foi introduzida em mais de 40 países e adaptada para se adequar ao contexto específico de cada país, muitas vezes adquirindo um novo nome, embora mantendo os mesmos princípios-chave.

PMIC e Umoja

O PMIC e o Umoja são duas abordagens bem estabelecidas de mobilização de igrejas e comunidades com recursos publicados em vários idiomas. Umoja significa "união" na língua suaíle, do leste da África, e PMIC são as iniciais de Processo de Mobilização de Igrejas e Comunidades.

Saiba mais sobre o Umoja

Impacto e aprendizagem

Uma grande transformação pode ocorrer quando as igrejas locais são mobilizadas de forma a vivenciar a missão integral e enfrentar a pobreza e a injustiça. Ao longo dos nossos vinte anos de experiência na implementação do trabalho de mobilização de igrejas e comunidades, reunimos várias evidências de transformação, bem como importantes pontos de aprendizagem relacionados aos processos em questão.

The impact of CCMP in West Africa 2020 - Disponível somente em inglês

A fim de medir a transformação em todas as áreas da vida, desenvolvemos a ferramenta A Roda Luz, que ajuda a definir e medir os diferentes aspectos que contribuem para o bem-estar: competências, bem-estar emocional e mental, fé viva, bens e recursos materiais, participação e influência, relações pessoais, saúde física, vínculos sociais e boa gestão do meio ambiente. Usamos essa ferramenta como parte do nosso processo de avaliação. 

Em alguns países selecionados, usamos o QuIP (sigla inglesa de Protocolo de Avaliação de Impacto Qualitativo) para avaliar e aprender sobre o impacto da mobilização de igrejas e comunidades. O QuIP é uma abordagem inovadora e confiável, reconhecida pelo Department for International Development (DFID) do Reino Unido e outros doadores. O protocolo fornece um bom método qualitativo para identificar os motivadores de mudanças mais significativos na vida, nos meios de vida e no bem-estar das pessoas que um programa pretende beneficiar.

Leia relatórios e avaliações que mostram o impacto do trabalho de igrejas e comunidades

Veja todos os nossos relatórios de pesquisas relevantes para o papel da igreja no trabalho humanitário e de desenvolvimento comunitário

Tópicos relacionados