Os desastres são uma das causas mais significativas da pobreza, e a pobreza é um dos principais fatores que fazem com que os desastres tenham um impacto devastador. A maioria das comunidades que vivem na pobreza ao redor do mundo é vulnerável a algum tipo de desastre.

As crises e as emergências estão aumentando em termos de complexidade, frequência e duração ao redor do mundo. Tem-se tornado difícil para as organizações locais e agências de assistência acompanhar o nível das necessidades humanitárias, especialmente quando essas envolvem conflitos prolongados e insegurança econômica. Nós não acreditamos que os desastres “naturais” ou as crises complexas sejam unicamente uma questão “humanitária” que possa ser desvinculada do trabalho de desenvolvimento. As causas fundamentais dos desastres e das crises devem ser enfrentadas tanto quanto possível ao mesmo tempo em que se presta assistência através de atividades para salvar vidas.

Nossa abordagem integra atividades de resiliência e redução de riscos como ponto central do nosso trabalho de assistência, assim como o nosso trabalho de desenvolvimento. Quando uma emergência realmente ocorre, procuramos “reconstruir melhor” durante o período de recuperação, lidando não apenas com as perdas físicas, mas também restaurando relacionamentos e apoiando a recuperação do trauma e o bem-estar de longo prazo.

Redução do risco de desastres

Não temos o poder de evitar ou reduzir a maior parte das ameaças naturais – eventos extremos que ocorrem naturalmente e que podem causar dano aos seres humanos e ao meio ambiente –, mas uma ameaça natural por si só não causa automaticamente um desastre. Deve haver um certo grau de vulnerabilidade para que uma ameaça afete as pessoas. Na Redução do Risco de Desastres (RRD) reconhecemos que podemos reduzir o impacto dos desastres ao reduzirmos tal vulnerabilidade. Por exemplo, construir prédios antiterremoto pode evitar que uma ameaça (um terremoto) se transforme num desastre (casas destruídas e pessoas mortas).

A Redução do Risco de Desastres é um aspecto primordial no desenvolvimento da resiliência e deve estar intimamente integrada ao trabalho de mitigação da mudança climática, da degradação ambiental e dos conflitos, pois frequentemente são esses os principais geradores da vulnerabilidade das pessoas aos desastres.

O ciclo dos desastres

 

O ciclo dos desastres

O ciclo dos desastres

Analisar o que acontece quando as pessoas vivenciam situações de choque e estresse pode nos ajudar a entender o que significa a resiliência. Diariamente, comunidades adaptam-se a situações de choque e estresse da vida sem entrar em crise. Mas o que acontece quando elas entram em crise? O ciclo dos desastres mostra como as pessoas reagem e se adaptam quando ocorre uma crise. Nesses momentos, seu comportamento encaixa-se em uma destas três categorias: gestão do estresse, gestão da crise e gestão do risco.

Preparação para desastres e crises

A preparação salva vidas, meios de vida e propriedades, além de ajudar as pessoas a se sentirem menos vulneráveis. Quando as atividades de preparação também são realizadas em conjunto com as atividades de redução de riscos, o impacto de um desastre potencial também é reduzido.

É por essa razão que a Tearfund trabalha e investe na capacitação de organizações e igrejas locais nas comunidades em risco – para ajudá-las a compreender os riscos que enfrentam e desenvolver planos para responder a quaisquer crises ou desastres previstos. A preparação envolve atividades voltadas para o futuro que podem aumentar a capacidade das pessoas de prever, preparar-se, responder e recuperar-se dos efeitos de uma ameaça (como uma tempestade, por exemplo) ou uma situação de crise (como, por exemplo, um conflito tribal local).

Conheça nossos recursos sobre preparação para desastres

Resposta a desastres e crises

A Tearfund e seus parceiros respondem a desastres de qualquer escala, desde desastres de pequenas proporções que podem devastar umas poucas moradias ou comunidades (tais como enchentes ou deslizamentos de terra locais) até crises prolongadas de larga escala que afetam milhões de pessoas (como a crise causada pelos conflitos no Iêmen).

A Tearfund trabalha em conformidade com os padrões internacionais e com integridade e transparência.

A elaboração e a execução das respostas emergenciais devem ser lideradas localmente tanto quanto possível. Trabalhamos com outras organizações como parte de redes e alianças porque cremos que o trabalho colaborativo nos permite sermos mais eficazes e eficientes em nossas respostas.

Levantamento de necessidades 

Identificar e ter como alvo as pessoas mais vulneráveis, independentemente de etnia e religião, é vital. Por isso, garantimos que os nossos recursos de levantamento de necessidades incluam os grupos marginalizados. Os levantamentos ajudam a identificar as opções mais adequadas para responder a uma emergência e também a forma como a Tearfund pode agregar valor a uma resposta emergencial. Às vezes, as informações coletadas por nossos parceiros são a única fonte de dados sobre as necessidades de uma determinada comunidade, sejam as informações provenientes da igreja local ou de um levantamento de necessidades coordenado da ONU. O compartilhamento de informações e a gestão de conhecimentos garantem que o apoio seja direcionado às pessoas certas no momento certo.

Recursos sobre levantamentos de necessidades

Localização

Acreditamos no papel dos/das líderes e das organizações religiosas e na função que elas devem desempenhar nas respostas emergenciais. Trabalhamos com outras agências para promover o trabalho de organizações locais e nacionais.

São as próprias comunidades quem melhor compreendem as necessidades das pessoas de sua própria região. Por essa razão, sempre capacitamos as organizações e igrejas locais e apoiamos as respostas aos desastres lideradas localmente.

A Tearfund faz parte da Charter4Change, uma iniciativa global cujo fim é permitir que as respostas sejam mais lideradas localmente. Queremos ver um maior apoio financeiro para as organizações locais e nacionais, bem como amplificar as vozes locais para que tenham mais presença e influência. A Tearfund também faz parte da Start Network, que promove a tomada de decisões local, apoia uma maior inovação e desenvolve as capacidades locais.

A Tearfund tem duas abordagens distintas que ajudam a empoderar as igrejas locais e as organizações parceiras no desenvolvimento de suas capacidades e habilidades para responder às crises locais: 

Recuperação de desastres e crises

Em projetos de resposta emergencial é muito importante que haja uma boa recuperação. Na maior parte dos projetos, esse é o período quando as atividades terminam. Em crises prolongadas, essa será uma etapa bastante difícil se as circunstâncias que mantém as populações em uma situação de necessidade humanitária não tiverem mudado.

Não existe um limite claro que estabeleça onde a ação humanitária termina e a ação de desenvolvimento começa. Em vez disso, frequentemente, chega-se a um ponto em que as a construção da paz, a resposta humanitária e o desenvolvimento precisam trabalhar em conjunto. 

Reconstruir melhor

O conceito “reconstruir melhor” geralmente está associado a garantir que os códigos de construção antissísmica (antiterremoto) sejam seguidos ou que uma escola seja reconstruída com melhor acesso aos banheiros. Contudo, “reconstruir melhor” é algo muito mais profundo. Nós nos perguntamos: “Como podemos nos voltar mais às pessoas marginalizadas e excluídas?” ou “Como podemos garantir que a proteção e as práticas de gênero sejam integradas e assimiladas pela comunidade?”. Essas perguntas asseguram que, caso haja outra crise ou desastre, a maior ênfase seja dada às pessoas que serão mais afetadas e que seu trauma anterior ou seu estado de marginalidade não sejam ainda mais agravados.

Igreja e os desastres

Quando ocorre um desastre, a igreja é, muitas vezes, o primeiro local a que as pessoas recorrem para encontrar apoio emocional e físico. Portanto, é crucial ajudar as igrejas e suas comunidades a prevenir os desastres, reduzir seu impacto quando ocorrerem e reconstruir os meios de vida e as comunidades no período que se segue a eles.

Alcança-se um melhor resultado na gestão de desastres quando as igrejas locais e suas comunidades trabalham juntas com ONGs especializadas e agências de assistência. Nossos recursos exploram os pontos fortes e fracos da igreja na gestão de desastres, bem como o papel complementar potencial que ela pode desempenhar juntamente com as agências especializadas.

Conheça nossos recursos sobre igreja e os desastres 

Leia mais sobre igreja e a resiliência

Defesa e promoção de direitos e os desastres

O trabalho estratégico de defesa e promoção de direitos voltado aos responsáveis pela tomada de decisões nos âmbitos local, nacional e internacional é essencial para as respostas ao risco de desastres. Tal trabalho pode aumentar o financiamento, fazer com que políticas sejam lideradas localmente e ajudar os responsáveis pela elaboração de políticas a adotar uma abordagem holística para a redução do risco de desastres, a prevenção de conflitos, a adaptação à mudança climática e o desenvolvimento. As pesquisas mostram que investir na redução do risco de desastres antes que um desastre ocorra salva vidas, reduz perdas e é muito mais econômico do que financiar respostas depois que ele já ocorreu.

Nosso trabalho de defesa e promoção de direitos na Tearfund também consiste em fazer com que o papel das/dos líderes religiosos na preparação e resposta a desastres seja reconhecido.

Conheça nossos recursos sobre defesa e promoção de direitos e desastres 

Desastres e conflitos

As respostas humanitárias frequentemente ocorrem em situações de conflito. Em muitos casos, o conflito em si é a fonte da crise humanitária. Os impactos de outros desastres, como os desastres naturais, também podem criar conflitos quando as populações afetadas competem entre si para obter acesso aos recursos de que precisam para se recuperar. A combinação de conflitos e desastres naturais pode aumentar as necessidades criadas por ambos.

Nossa abordagem para os desastres em contextos em que há conflitos é:

Sensibilidade aos conflitos

Ao responder de alguma forma às crises ou aos desastres, em qualquer contexto de conflito, é importante que o projeto “Não Cause Danos”. A sensibilidade aos conflitos consiste em compreender o contexto de conflito em que estamos trabalhando, garantir que minimizemos os impactos negativos no conflito e identificar oportunidades para maximizar os impactos positivos.

Conheça nossas ferramentas e guias sobre conflitos

Leia mais sobre nosso trabalho e compromisso de promover a paz e a reconciliação

A importância da aprendizagem 

A aprendizagem, a reflexão e a adaptação são elementos cruciais do nosso processo de resposta e recuperação. Estamos comprometidos com a melhoria da elaboração e da implementação de todos os projetos de resposta a desastres, bem como em oferecer oportunidades e recursos para que indivíduos desenvolvam as habilidades e os conhecimentos de que precisam para servir aos outros de maneira mais eficaz.

Ao redor do mundo, a Tearfund e seus parceiros trabalham em contextos muito diferentes. Em nossa experiência, mesmo que cada desastre seja diferente, ainda é importante capturar as lições aprendidas a partir das respostas implementadas no passado.

Sabemos que, para responder de maneira eficaz a uma situação de emergência, é necessário que haja pessoas com habilidades, conhecimentos e a disposição e a atitude corretas para colocar as pessoas em primeiro lugar. Com os nossos parceiros, estamos comprometidos em melhorar seu desempenho através de treinamento e desenvolvimento de habilidades, bem como através da revisão de projetos para garantir que sejam aprendidas lições ou que sejam identificadas oportunidades de inovação.

Mensuração

Para ajudar a mensurar os projetos de resposta a desastres, usamos o recurso Characteristics of a disaster-resilient community no âmbito de povoado e comunidade, que estabelece indicadores de como uma comunidade preparada e mobilizada deve ser. Para os projetos internacionais de resposta de grande escala, são usadas as orientações da ALNAP.

Avaliações

Os relatórios das avaliações externas de projetos de gestão de desastres, realizados pelas equipes operacionais da Tearfund e por seus parceiros, são uma fonte valiosa de aprendizagem e boas práticas.

Como parte do nosso compromisso com a abertura e a transparência, publicamos avaliações dos projetos financiados, apoiados e realizados pela Tearfund e por seus parceiros.