Rosa Mariano, um membro ativo da Equipe de Vida, da Província de Zambézia, cumprimentando os vizinhos. Foto: Rebecca J Vander Meulen

Da: Passo a Passo 90

Artigos sobre como aprender com outras pessoas, bem como histórias e conselhos de outras partes do mundo

A leitura de estudos de casos pode ser uma forma muito útil de melhorar o seu próprio trabalho na comunidade. Podemos aprender sobre inovação, copiar modelos bem-sucedidos e adaptá-los para o nosso contexto, bem como nos inspirarmos com o sucesso de outros. Mas imagine poder interagir com um estudo de caso e fazer perguntas! Muitas organizações estão adotando a ideia de “visitas de aprendizagem” e viajando para aprender coisas e enriquecer o seu próprio trabalho interno. As “visitas de aprendizagem” podem ser internacionais ou na própria vizinhança: os princípios são os mesmos. Abaixo, reunimos uma seleção de tipos de visitas, com estudos de caso de várias partes do mundo.

Visitas nacionais

QUEM?

Organizações que trabalham em questões semelhantes no mesmo país podem se visitar para trocar conhecimentos.

A aprendizagem é feita no canteiro de couves durante a visita dos parceiros chadianos da Tearfund a uma área de demonstração. Foto: Liu Liu/Tearfund

A aprendizagem é feita no canteiro de couves durante a visita dos parceiros chadianos da Tearfund a uma área de demonstração. Foto: Liu Liu/Tearfund

ESTUDO DE CASO

Em maio de 2011, parceiros da Tearfund do Chade receberam treinamento sobre sustentabilidade ambiental, onde eles aprenderam a importância de cuidar da criação de Deus e como aumentar a produção de alimentos com o uso de métodos naturais, tais como a agrossilvicultura e a compostagem. Oito meses mais tarde, o treinador organizou uma visita de acompanhamento para cinco parceiros do norte, para que eles vissem como duas organizações parceiras do sul haviam posto em prática o que tinham aprendido na oficina de treinamento. O grupo visitou povoados e campos para entender como o aprendizado da oficina é passado adiante e aplicado aos agricultores. Discutindo detalhes práticos com os parceiros do sul, os parceiros do norte beneficiaram-se com insight e recomendações que os ajudaram a melhorar o seu próprio trabalho.

Visitas individuais

QUEM?

Indivíduos empreendedores que desenvolveram expertise numa área e estão dispostos a ajudar outros a aplicar este conhecimento num novo contexto.

ESTUDO DE CASO

Joel Tembo, um membro do programa Indivíduos Inspirados da Tearfund, percebeu uma necessidade social e desenvolveu uma solução comercial para o crescente problema da eliminação de resíduos em Goma, na República Democrática do Congo. Ele estabeleceu uma empresa de lixo e serviços enquanto mobilizava a igreja e a comunidade para que se engajassem em questões ambientais. Ele visitou a Serra Leoa para compartilhar estes conhecimentos e esta experiência com as organizações e igrejas locais interessadas em gestão de lixo. Na Serra Leoa, as pessoas ficaram inspiradas com o trabalho de Joel, mas o que surpreendeu a ambos os lados foi o quanto Joel achou que havia aprendido, ele próprio, com a experiência. “Antes de ir para o campo, eu não via a ligação entre a sustentabilidade ambiental e o trabalho de desenvolvimento no local. Quando vi o que estava acontecendo nas aldeias, fiquei muito impressionado”, disse ele.

Visitas de avaliação entre pares

QUEM?

Organizações dispostas a avaliar outras organizações pares e serem, elas próprias, avaliadas em troca.

ESTUDO DE CASO

Três organizações, duas na Índia e uma em Bangladesh, queriam melhorar a qualidade dos seus projetos de Redução do Risco de Desastres e decidiram usar a avaliação como oportunidade para aprender umas com as outras. Como não queriam contratar um consultor externo caro, elas decidiram tentar um modelo de avaliação entre pares. Para garantir que a avaliação fosse consistente, primeiro foi criada uma lista de perguntas, a qual foi usada em cada avaliação. Uma equipe de avaliação, com membros de todas as organizações participantes, passou duas semanas visitando os locais dos projetos de cada organização. No final do processo, todas as três organizações haviam sido avaliadas e tido a oportunidade de avaliar as outras, compartilhando a aprendizagem e desenvolvendo relações para o futuro.

Visitas de ''arranque''

QUEM?

Uma organização que quer começar a trabalhar com uma questão nova visita uma organização que já possui experiência nesse campo.

Um grupo visitante de Mianmar ouvindo sobre como os habitantes de um povoado em Bangladesh se preparam para os desastres. Foto: Liu Liu/Tearfund

Um grupo visitante de Mianmar ouvindo sobre como os habitantes de um povoado em Bangladesh se preparam para os desastres. Foto: Liu Liu/Tearfund

ESTUDO DE CASO

Após o Ciclone Nargis, um grupo de Mianmar queria ajudar as comunidades a se prepararem melhor para os desastres. Bangladesh sofre de enchentes frequentes, e uma organização de lá, com experiência em Redução do Risco de Desastres, ofereceu-se para receber uma visita. O grupo de Mianmar visitou povoados que haviam desenvolvido sistemas de alerta precoce, exercícios de simulação de buscas e resgates e programas educativos para as escolas locais. Eles haviam até escrito canções folclóricas e criado danças para transmitir mensagens sobre como se preparar para os desastres. Como os dois grupos trabalhavam em contextos geográficos semelhantes, o grupo de Mianmar pôde voltar para casa e iniciar projetos de Redução do Risco de Desastres nas suas próprias organizações.

Agradecemos a Liu Liu, Responsável de Gestão de Desastres e Sustentabilidade Ambiental, e Andrew Bulmer, Ex-Assessor de Igreja e Desenvolvimento, Tearfund.


Planeje a sua própria visita de aprendizagem

ANTES DE IR

NA VISITA

APÓS A VISITA

Se você tiver experiência em visitas de aprendizagem, por que não compartilhá-la com outros leitores enviando uma carta curta por e-mail para publications@tearfund.org

Conteúdo com tags semelhantes

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora