Da: O valor dos alimentos – Passo a Passo 94

Formas de armazenar e preservar alimentos de forma segura, aproveitando os alimentos e diminuindo o desperdício

A propriedade rural chama-se “Casa da videira”. Foto: Claudio Oliver

A propriedade rural chama-se “Casa da videira”. Foto: Claudio Oliver

Conheça Claudio Oliver, um ambientalista e pastor do Brasil, que conta sobre suas experiências de agricultura urbana numa entrevista com a Editora da Passo a Passo

O que o inspirou para se tornar um agricultor urbano? 

Um dia, depois de anos de esperança e sonhos de ter um pedaço de terra, fui para a minha sacada e olhei para o meu terreno de 0,6 metros quadrados cheio de terra horrível. Depois, fui para a minha cozinha, onde eu juntava meus restos de comida. Ao ver a conexão entre os dois locais, tive a inspiração de fazer uma oração mais ou menos assim: “Senhor, ao invés de reclamar ou sonhar com terras, vou tomar a decisão de honrá-lo e honrar sua criação. Não criarei lixo que não possa ser reutilizado em casa e aproveitarei ao máximo o solo que o senhor me deu.” 

Comecei minha primeira composteira de minhocas [editora – uma forma de fazer composto usando minhocas], e, em seis meses, o composto me ajudou a produzir uma boa safra de tomates, alface e bagas na pequena “granja” em que esse espaço desperdiçado de solo pobre havia se transformado. 

Depois de sermos fieis usando aquele pequeno espaço, começamos a transformar o estacionamento da nossa igreja numa horta. Depois de três anos, tínhamos 300 diferentes tipos de legumes, árvores, frutas e flores crescendo nela! Mais tarde, alugamos nossa primeira casa para começarmos o que chamamos de “Casa da Videira”, pois queríamos mostrar que ela pertence à Videira (veja João 15:1-8). 

Cultivar alimentos dá muito trabalho, mas há tanto desperdício por ai. Como você minimiza o desperdício de alimentos na sua vida na cidade? 

Eu começo com este princípio: os resíduos podem poluir ou podem ser colocados de volta no ciclo da vida. Uma vez que você compreende isso, você pode tomar medidas práticas para fazer isso usando os resíduos para alimentar os animais ou para fazer composto. Você precisa se perguntar sempre: como esses resíduos podem criar vida nova? Descobrimos que esse tipo de abordagem leva à abundância, e a abundância leva ao compartilhamento, à amizade e a uma comunidade forte. Ninguém deixa a nossa casa sem alguma coisa nas mãos. 

Acreditamos que a melhor forma de cuidarmos do nosso lixo não é reciclando, mas, sim, o que chamamos de preciclagem. A preciclagem consiste em simplesmente não comprar coisas para não termos de jogá-las fora depois. Chamamos o próximo passo de sobreciclagem. Quando já há lixo, podemos encontrar maneiras de prolongar sua vida usando-o por tanto tempo quanto possível. 

Você está trabalhando num movimento chamado “Do Meu Lixo Cuido Eu” – você pode nos contar mais sobre ele? 

É muito simples: não existe lixo na natureza. A principal mensagem da campanha é que, se você tiver produzido resíduos, você pode encontrar uma solução para eles. E, se você não encontrar uma solução, você pode deixar de usar o que está criando resíduos. Qualquer um pode participar ou usar o nome da campanha, pois todos podem cuidar do seu próprio lixo. 

O que você faz pode ser bem desafiador para outras pessoas à sua volta. Como as pessoas reagem ao seu modo de viver? 

Para algumas pessoas, somos um sinal de esperança. Essas pessoas nos amam e nos apoiam. Para outras, somos o símbolo de tudo o que elas odeiam, e elas nos veem como subdesenvolvidos e atrasados. Uma vez, algumas pessoas reclamaram para as autoridades municipais, e elas mandaram funcionários para ver o que estávamos fazendo. Mas depois de virem e verem a qualidade do nosso trabalho, as autoridades decidiram nos apoiar ao invés de nos punir e até mudaram uma lei local em nosso favor, para que pudéssemos continuar fazendo o que fazemos.

Claudio dá as boas-vindas aos visitantes. “Adoramos dizer a todos ‘venham e vejam’”, diz ele. Foto: Claudio Oliver

Claudio dá as boas-vindas aos visitantes. “Adoramos dizer a todos ‘venham e vejam’”, diz ele. Foto: Claudio Oliver

Como vocês compartilham suas ideias com outros? 

Adoramos dizer a todos “venham e vejam”. Através da nossa vida normal aqui, sempre temos algo para mostrar. Também usamos o Facebook, vídeos, relatórios e pesquisas acadêmicas e organizamos visitas oficiais para estudantes, escolas, universidades e membros da administração local. 

Se quisermos aproveitar ao máximo os alimentos que temos, por onde podemos começar? 

Você pode começar examinando a maneira como você usa os alimentos em casa. Quando Deus nos criou, ele nos colocou num jardim e nos deu tudo que era necessário para a vida. Você pode pensar sobre que fim levam os resíduos dos alimentos e tentar usá-los para dar vida a novas coisas. Isso pode ser feito alimentando os animais com os resíduos dos alimentos ou deixando as minhocas transformá-los em terra. Com outros tipos de lixo, como garrafas de plástico ou latas de alumínio, evite usá-los sempre que possível. Se precisar usá-los, você pode fazê-lo até o final da vida desses produtos. Você também pode ajudar compartilhando suas experiências comigo. Eu adoraria aprender com você! 

Claudio Oliver vive e trabalha em Curitiba, Brasil. Ele tem mais de 25 anos de experiência como ambientalista, agricultor urbano e pastor. Seu grande desejo é ver as pessoas vivendo em relações positivas umas com as outras e com a criação. 

E-mail: secretariadavideira@gmail.com
Site: www.casadavideira.com.br 

A Passo a Passo 41 traz mais informações sobre como usar minhocas para fazer composto. 


Cinco maneiras de usar a borra de café 

Muitas pessoas pelo mundo gostam de tomar café, mas você sabia que apenas dois por cento do café fresco utilizado para fazer uma xícara é consumido? Noventa e oito por cento de todo o valor nutricional do grão de café não é utilizado!

  1. Reduzir o odor nos leitos de animais. Por exemplo, nas coelheiras, cubra o chão com borra de café e coloque a mesma quantidade de aparas de madeira por cima. Coloque o suficiente de aparas de madeira para tapar completamente a borra de café. Essa cobertura pode ser trocada semanalmente, e os resíduos (borra de café, aparas de madeira e excremento dos coelhos) podem ser usados para fazer composto e cultivar plantas!
  2. Para eliminar o odor dos pés, faça pequenos sacos de pano e encha-os com um pouco de borra de café. Coloque-os dentro dos sapatos por algumas horas, e o cheiro ficará melhor.
  3. Esfregue borra de café nas mãos para eliminar o cheiro de alho ou cebola. O cheiro é eliminado imediatamente! 
  4. As formigas não gostam de borra de café! Espalhamos a borra para mantê-las longe das nossas plantas. Se souber de onde as formigas estão vindo, você pode bloquear o caminho delas com café. 
  5. Fazer amizades! Recolhemos a borra de café dos shoppings e das lanchonetes da nossa cidade, e os donos ficam muito contentes em se livrar dos resíduos do café gratuitamente. Recebemos 40 quilos de café por semana da cada lanchonete. Usamos os resíduos delas para dar vida! A propriedade rural chama-se “Casa da videira”. Claudio dá as boas-vindas aos visitantes. “Adoramos dizer a todos ‘venham e vejam’”, diz ele.


Conteúdo com tags semelhantes

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora