Da: Saúde mental e bem-estar – Passo a Passo 113

Ideias práticas para ajudar a construir resiliência e melhorar o bem-estar

Ivan Monzon Muñoz é psicólogo social e diretor de Cultura Juvenil e Redução de Riscos da Fundación Doulos, na Guatemala. Aqui, ele discute algumas das lições que aprendeu sobre resiliência depois de trabalhar com comunidades marginalizadas por muitos anos.

O que significa resiliência para você?

Quando eu me mudei com minha família para o Haiti após o terremoto de 2010, achava que sabia muito sobre resiliência. Naquela época, eu teria descrito resiliência como “a capacidade de retornar à estabilidade após uma crise”. Mas, depois de quatro anos trabalhando em comunidades onde a crise faz parte da vida “normal”, meu conceito de resiliência mudou para algo como “a capacidade de perseverar, apesar da crise”. Não como uma borboleta sacudindo a poeira das asas após uma erupção vulcânica e voando para longe, mas como uma lagarta tentando se transformar em uma borboleta na cratera de um vulcão ativo! Difícil, mas não impossível.

Agora, na Guatemala, apoio igrejas e ministérios na construção de relacionamentos fortes com jovens vulneráveis e na criação de um ambiente favorável e estimulante para eles. Isso os ajuda não apenas a sobreviver, mas também a se desenvolverem.

Quais são os desafios específicos que os jovens da região enfrentam?

Muitos jovens são expostos à violência e ao crime desde pequenos, inclusive ao recrutamento para gangues armadas, à violência doméstica e à violência sexual e de gênero. Outras pressões são o desemprego e os desastres naturais. A pandemia de Covid-19 piorou alguns desses problemas.

Infelizmente, alguns tentam escapar da realidade por meio do uso de drogas e álcool, videogames compulsivos, pornografia e suicídio. Muitos lutam contra a ansiedade e a depressão, levando à falta de motivação e, em alguns casos, à violência e a um comportamento imprevisível.

Como esses jovens podem ser apoiados?

É fácil presumir que comida e roupas estão entre as principais coisas de que as famílias e os jovens carentes precisam, especialmente em meio a uma crise como uma guerra, um terremoto ou a Covid-19. No entanto, depois de mais de dez anos trabalhando com comunidades vulneráveis, percebi que os aspectos de resiliência relativos à saúde mental muitas vezes não recebem consideração suficiente.

Muitos jovens sentem-se sozinhos. Eles não têm ninguém em quem confiar para conversar sobre seus sentimentos e problemas pessoais. Um adolescente de um bairro urbano disse recentemente: “Podemos receber comida e roupas, mas o que mais precisamos é que mais pessoas acreditem em nossos sonhos e no fato de que podemos alcançá-los”. Outro disse: “Eu adoraria ter alguém na minha vida para conversar sobre meus problemas”.

Quando os jovens têm alguém que realmente se preocupa com eles e sua vida (mesmo que essa pessoa não esteja com eles o tempo todo), há uma chance maior de que consigam superar os problemas pelos quais estão passando.

Os jovens também precisam de oportunidades para interagir com seus pares, desfrutar de atividades recreativas, como esportes, e agir e serem tratados com bondade, respeito e carinho.

Como as igrejas podem ajudar?

Email: imonzon@doulosgt.org

Conteúdo com tags semelhantes

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Jovens de comunidades de alto risco na Guatemala desfrutando de jogos de construção de equipe. Foto: Ivan Monzon

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora