Ir para o consentimento do cookie

Da: Alfabetização – Passo a Passo 62

Artigos práticos sobre como apoiar a alfabetização de crianças e adultos

Barbara Lawes.

Programa de Alfabetização e Desenvolvimento da União das Mães. Os membros e trabalhadores da União das Mães por todo o mundo sabem que a falta de alfabetização é um dos principais problemas enfrentados pelas mulheres e meninas, especialmente nas áreas rurais. Sem a alfabetização, é muito mais difícil para as mulheres melhorarem as condições dos seus lares, das suas famílias e comunidades e participar plenamente das questões e da administração comunitárias. A alfabetização é fundamental para o acesso às poucas iniciativas e oportunidades locais disponíveis. A alfabetização permite que os formuladores das políticas escutem as vozes e as preocupações das mulheres em âmbito local, nacional e internacional.

Em resposta a isto, a União das Mães pesquisou, desenvolveu e implementou o Programa de Alfabetização e Desenvolvimento da União das Mães (MULDP – Mother’s Union Literacy and Development Programme). O programa tinha de estar dentro das condições financeiras dos alunos adultos e ser sustentável e apropriado para eles. Ele precisava de fazer uso das habilidades e dos conhecimentos locais. Acima de tudo, ele tinha de lidar com as desigualdades da sociedade, que, com tanta freqüência, deixam as mulheres impotentes, sem voz e invisíveis nas suas famílias e comunidades.

A União das Mães é uma organização cristã, que trabalha em 76 países ao redor do mundo, através de uma ampla rede de voluntários e funcionários remunerados e que segue a estrutura da Igreja Anglicana, desde províncias até comunidades eclesiásticas de base. Isto proporciona à União das Mães um contacto quase sem igual com famílias e comunidades nos locais mais pobres, onde os níveis de alfabetização adulta provavelmente são os mais baixos.

Formação de círculos de alfabetização

Os programas de alfabetização adulta têm um alto índice de reprovação. Nossa ampla pesquisa mostrou que isto ocorre, em parte, devido aos métodos de aprendizagem insustentáveis, à falta de financiamento e à falta de continuidade por parte dos facilitadores locais. Tentamos evitar estes problemas sempre que possível.

Burundi, o Maláui e o Sudão possuem alguns dos índices mais baixos de alfabetização adulta. Como eles também são países em que a União das Mães é forte, começamos o trabalho por lá. Com a ajuda da LABE, Uganda (veja a página 5), foi desenvolvido um programa piloto, e começamos a trabalhar em oito dioceses. Depois de explicações cuidadosas sobre como o programa funcionaria, cada diocese nomeou duas treinadoras de alfabetização. Estas 16 mulheres foram treinadas em Uganda pela LABE e pela União das Mães e retornaram aos seus países, para iniciar um programa piloto de três anos.

As comunidades que haviam concordado em participar tinham de formar um comitê de direcção e encontrar uma pessoa local adequada para ser treinada como facilitador. O facilitador deveria saber ler e escrever na língua local e ser aceitável para os alunos locais.

Uma vez que as 12 comunidades haviam sido selecionadas, os facilitadores foram reunidos por uma semana e treinados na formação de grupos, em técnicas de Acção e Aprendizagem Participatórias (PLA) e em como introduzir a alfabetização com o uso destas técnicas. Assim que eles retornaram para as suas comunidades, as matrículas começaram, e o círculo de alfabetização iniciou o seu trabalho. Os treinadores visitaram os facilitadores e os seus círculos de alfabetização a cada duas semanas, até que eles estivessem bem estabelecidos e o círculo estivesse a funcionar bem.

O programa consiste em compartilhar os conhecimentos e a sabedoria dos participantes sobre vários tópicos através de discussões. As palavras-chaves a serem aprendidas são tiradas destas discussões. A discussão é, de muitas maneiras, tão importante quanto a alfabetização.

Fazendo as coisas funcionarem

Foram encontrados vários problemas:

Todos estes desafios foram enfrentados pelos treinadores ou durante as visitas realizadas pelos funcionários da União de Mães.

Uma vez que os círculos estavam a funcionar bem, os treinadores continuavam a visitá-los ocasionalmente, mas passavam o seu foco principal para novas comunidades. Agora há um sistema regular, em que os treinadores treinam 12 facilitadores duas vezes por ano. Todos os facilitadores reúnem-se por alguns dias a cada ano, para compartilhar experiências e receber mais treinamento.

Divulgação

Os treinadores são funcionários da União de Mães, empregados pelas suas dioceses, com o apoio da União de Mães. Os facilitadores recebem pequenos incentivos financeiros, respeito e alguma assistência das suas comunidades. Eles também sabem que estão oferecendo um serviço muito valioso para os seus amigos e vizinhos.

Num círculo de alfabetização, leva de 160 a 200 horas para que um aluno se torne alfabetizado e competente com números na prática. Há muitos factores que afetam isto. Algumas pessoas deslocadas, com poucas oportunidades externas, aprendem rápido, pois não podem ir cultivar hortas ou realizar qualquer outra actividade. As comunidades que costumam andar longas distâncias para cultivar terras podem ter um intervalo de três a quatro meses sem aulas. Elas precisam de mais tempo para se lembrarem do que aprenderam antes.

Uma vez que as pessoas se tornam alfabetizadas e competente com números, elas passam rapidamente para a acção comunitária e actividades de geração de recursos. A quantidade de actividades como estas deixou-nos muito surpreendidos. Os círculos pós-alfabetização também mostraram ser importantes. Eles oferecem às pessoas uma oportunidade para utilizarem as suas novas habilidades para ler, escrever cartas, quadros de avisos, ajudar em postos de saúde e estudar mais.

Em junho de 2003, foi realizada uma avaliação final, e o programa foi ampliado, passando a abranger mais cinco dioceses. Agora, há 26 treinadores treinados, 600 facilitadores e outros em treinamento. Os facilitadores podem vir de qualquer fé ou não ter fé alguma. Há 15.000 alunos em círculos activos e muitos mais em actividades pós- -alfabetização. No momento, este programa só é usado em Burundi, no Maláui e no Sudão, mas estão a chegar solicitações de muitas partes do mundo. Temos muita vontade de ajudar, mas é difícil encontrar verbas. Este é um programa eficaz e sustentável, que muda as vidas para melhor. Custa somente £20 (libras esterlinas) para ajudar uma pessoa a ler, escrever e contar. É difícil que haja muitos negócios melhores do que este!

Além das vantagens que a alfabetização e a competência com números trazem, os métodos participatórios estão resultando numa melhor comunicação dentro das famílias e entre os vizinhos. As questões de saúde são resolvidas em âmbito comunitário, e foram iniciados esquemas de geração de recursos, geralmente sem a necessidade de financiamento externo. A sociedade civil fortalece-se e torna-se capaz de aproveitar quaisquer oportunidades possíveis.

Barbara Lawes é a Coordenadora de Projetos em Âmbito Mundial da União de Mães, cujo endereço é Mother’s Union, Mary Sumner House, 24 Tufton Street, London, SW1P 3RB, Reino Unido.
E-mail:
mu@themothersunion.org 
Website: www.themothersunion.org

Comentários dos alunos

‘Toda a minha vida, só via o quadro pela a janela. Mas agora estou a vê-lo e ele está a olhar para mim.’ Eva Wajo

‘Trabalho como empregada de limpeza. No dia do pagamento eu recebia o meu salário sem ter a possibilidade de verificar se estava certo ou não e assinava utilizando a impressão digital do meu dedo polegar. Agora não posso ser mais enganada. Estou feliz.’ Margaret Keji 

‘Inscrevi-me como aluno e era tímido e inseguro. Aprendi a ler e a rescrever muito rápido agora sou facilitador. Estou muito orgulhoso porque agora posso ensinar outros a ler e a escrever também.’ Donatile, Maláui

Conteúdo com tags semelhantes

Compartilhe este recurso

Se você achou este recurso útil, compartilhe-o com outros para que eles também possam se beneficiar

Cadastre-se agora para receber a revista Passo a Passo

Uma revista digital e impressa gratuita para pessoas que trabalham na área de desenvolvimento comunitário

Cadastre-se agora

Preferências de cookies

Sua privacidade e paz de espírito são importantes para nós. Temos o compromisso de manter seus dados em segurança. Somente coletamos dados de pessoas para finalidades específicas e não os mantemos depois que elas foram alcançadas.

Para obter mais informações, inclusive uma lista completa de cookies individuais, consulte nossa política de privacidade.

  • Estes cookies são necessários para o funcionamento do site e não podem ser desativados em nossos sistemas.

  • Estes cookies permitem-nos medir e melhorar o desempenho do nosso site. Todas as informações coletadas por eles são anônimas.

  • Estes cookies permitem uma experiência mais personalizada. Por exemplo, eles podem lembrar em que região você está, bem como suas configurações de acessibilidade.

  • Estes cookies ajudam-nos a personalizar os nossos anúncios e permitem-nos medir a eficácia das nossas campanhas.