Reserva ecológica La Moya

Loida Carriel e Graham Gordon.

Ayaviri é uma cidade com 17.000 habitantes, situada na cordilheira dos Andes, no Peru. Ela circunda uma reserva ecológica chamada La Moya, que é o único lugar, no distrito, que permanece verde por todo o ano. La Moya possui uma significância histórica e cultural importante. Duas comunidades indígenas (habitantes tradicionais) vivem à beira de La Moya e a dividem com Ayaviri. As comunidades criam animais nos campos vizinhos e, durante a estação seca, dependem de La Moya para ter alimento. Entretanto, La Moya começou a ficar poluída e está correndo perigo de desaparecer.

Ação para salvar La Moya 

Em 1999, o Pastor Eron, do Instituto Bíblico de Ayaviri, começou a conscientizar as pessoas sobre a necessidade de proteger a reserva. Como sabia falar quechua, ele se encontrou com o líder da comunidade indígena e o convenceu de que era necessário manter a reserva limpa. Entretanto, a liderança da comunidade muda a cada ano. Isto mostrou a necessidade de que a conscientização fosse feita em todos os níveis da comunidade.

A outra comunidade indígena primeiro acusou o Pastor Eron de querer desafiar suas tradições e tirá-los das suas terras tradicionais. Eles também viam pouco motivo para cooperar, já que a maior parte da poluição e da contaminação vinham da cidade de Ayaviri.

A ação para salvar La Moya consistiu em:

  • “dias de limpeza”, em que as instituições locais, como a prefeitura, a universidade, o museu e as escolas, juntamente com os habitantes da cidade e as comunidades, reuniam-se para limpar o lixo da reserva
  • remoção do lixo do lago da reserva
  • distribuição de folhetos pedindo que as pessoas protegessem seu meio ambiente local
  • transmissão periódica de programas educativos ambientais na rádio local.

Redes para a mudança 

O Instituto Bíblico decidiu desenvolver uma rede de organizações para apoiar o trabalho.  A parceira da Tearfund, Paz y Esperanza (Paz e Esperança), ajudou-os a produzir materiais para a conscientização e a elaborar planos para a mudança. Eles trabalharam com o useu, que ajudou com pesquisas científicas sobre as causas e os efeitos dos danos em La Moya. Juntos, eles escreveram sobre a história da região, para mostrar a importância histórica e cultural da reserva.

Foi formado um grupo especial chamado Mesa de Concertación (Mesa Redonda) para facilitar as discussões entre as organizações e as comunidades locais. Ele também ajudou a planejar o desenvolvimento da região. Muitas instituições e grupos locais fazem parte deste processo.

Tem havido oposição contra este trabalho. Por exemplo, os candidatos envolvidos na eleição para prefeito em 2002 acusaram as pessoas que participaram da campanha de La Moya de usá-la como uma forma de obter poder político.

Resultados da campanha 

Em dezembro de 2001, o prefeito aprovou uma lei para evitar que fosse jogado lixo na reserva La Moya e disse que as festividades natalinas, responsáveis por grande parte do lixo, precisavam ser realizadas num outro lugar.

Em novembro de 2002, o prefeito aprovou uma lei que delegava poderes a uma “patrulha ecológica”, a qual vigiará a reserva e multará as pessoas que jogarem lixo no chão ou urinarem em La Moya.

La Moya está muito mais limpa agora como resultado dos dias de limpeza e da mudança de comportamento. O nível de conscientização nas comunidades e na cidade é muito mais alto, e elas vêem a proteção de La Moya como uma questão que precisam ajudar a resolver.

Futuras questões a serem resolvidas 

A ação realizada até agora não trará soluções a longo prazo, pois não procurou resolver as causas fundamentais dos danos. A campanha agora está procurando resolver estas questões. É necessário:

  • fornecer mais água corrente para as casas, para que as pessoas não precisem lavar a roupa no rio
  • fornecer água potável para as comunidades indígenas e Ayaviri
  • providenciar locais alternativos para se colocar o lixo
  • encontrar uma forma de evitar que a água contaminada e poluída escoe para La Moya oferecer um local alternativo para esportes (desportos)
  • assegurar que o novo prefeito e a prefeitura façam com que as leis aprovadas sejam cumpridas
  • desenvolver a capacidade das comunidades locais para trabalhar em prol da mudança. O novo prefeito elaborou uma proposta para transformar La Moya numa reserva turística sem consultar os habitantes locais ou a Mesa de Concertación.

Um outro problema é que as duas comunidades indígenas tiveram pouca participação nas discussões sobre o futuro da região. Elas ainda desconfiam das autoridades locais e têm medo de que sua terra lhes seja tirada.

Como resultado disto e de outros problemas, o Instituto Bíblico pretende:

  • trabalhar com a Mesa de Concertación para assegurar que ela inclua as comunidades indígenas e as pessoas mais pobres de Ayaviri no processo de consulta e planejamento
  • continuar a desenvolver relações com as comunidades indígenas e ajudá-las a compreender melhor as causas de sua pobreza, de maneira que elas possam elaborar seus próprios planos para La Moya e seu futuro
  • continuar a conscientizar as pessoas da necessidade de se proteger o meio ambiente
  • fortalecer os contatos com as organizações que podem ajudar a obter financiamento e ajudar com materiais e atividades educativos para desenvolver a capacidade das comunidades de participar
  • mobilizar os membros da igreja para que participem mais. Em junho de 2003, o Pastor Eron formou um grupo de trabalho que consiste de membros de sua igreja e da comunidade local.

Os autores trabalham no Peru para a parceira da Tearfund, Paz y Esperanza (Paz e Esperança). Paz y Esperanza APDO 181257 Lima 18, Peru E-mail: aspazes@pazyesperanza.org

Poluição em La Moya

Motivos da poluição

  • Os habitantes da cidade jogam lixo na reserva La Moya. Isto vem ocorrendo há séculos, mas agora está muito pior devido ao aumento populacional e aos artigos manufaturados, sendo especialmente ruim durante as festividades natalinas. Em alguns locais, o lixo chega a um metro de profundidade.
  • Há água corrente por apenas algumas horas por dia em Ayaviri. Assim, as pessoas lavam suas roupas no rio. Foram feitos estudos que mostraram que, a cada dia, 10–15kg de detergente desce pelo rio até La Moya.
  • Porque La Moya é o único lugar verde da região, as pessoas freqüentemente vão lá para praticar esportes. Isto está começando a destruir o ecossistema nas partes mais secas da reserva, as quais estão virando pó.
  • Ayaviri fica numa encosta. Assim, toda a água suja e o lixo da cidade escorrem para a reserva. Não há nenhum sistema de escoamento para evitar que isto ocorra.
  • Os animais que usam La Moya na estação seca causam contaminação através das fezes.

Conseqüências da poluição

  • A presença de lixo está fazendo com que La Moya perca sua beleza.
  • A poluição faz com que o sistema ecológico encolha, podendo desaparecer, se ela continuar.
  • Se La Moya ficar pequena demais ou desaparecer, os sustentos de duas comunidades indígenas serão ameaçados.