Promoção da saúde em Darfur, Sudão

Anne McCulloch

Saber a melhor maneira de manter a própria saúde e a saúde da família é muito importante, principalmente para o povo de Darfur, no Sudão. Eles foram deslocados de seus lares por causa da guerra e agora vivem em condições básicas e apertadas, em campos ou com parentes. A Tearfund está trabalhando para prover água segura e saneamento nestas áreas e ensinamentos adequados sobre a saúde, para que as pessoas usem os recursos com eficácia.

Clubes de saúde

Foto: Anne McCulloch, Tearfund
Foto: Anne McCulloch, Tearfund

Foram criados clubes de saúde com o objetivo de ensinar sobre a saúde e realizar atividades divertidas com as mulheres e crianças afetadas pelo conflito. Os clubes situados na fronteira com o Chade também incluem povos nômades, com muito pouco acesso a qualquer tipo de educação e muito interesse em aprender sobre a boa higiene. Há clubes femininos, com um total de 14.000 mulheres, e clubes infantis, com 65.000 crianças por toda a região de Darfur. A fim de se enquadrarem nas rotinas diárias das mulheres e permitir acesso para as poucas crianças que freqüentam a escola, os clubes tendem a realizar encontros de manhã cedo, duas vezes por semana.

Cada clube é administrado por um grupo de facilitadores locais voluntários. Os clubes infantis também têm um “incentivador” em cada grupo, com cerca de 50 crianças. O incentivador é uma criança que guia as outras crianças e promove a higiene através do exemplo.

Os clubes femininos oferecem uma oportunidade para a socialização e a discussão sobre como garantir que as mulheres e suas famílias se mantenham saudáveis. Vários métodos são usados para informar e discutir sobre a saúde. Por exemplo, pular ao ritmo de uma música faz parte da cultura de uma das tribos locais. Assim, as mulheres gostam de pular ao ritmo de várias canções e rimas sobre a higiene.

Os clubes infantis realizam uma série de atividades ligadas à saúde, como o uso de marionetes, histórias, canções, flanelógrafos, desenhos, teatro, pular corda ao som de rimas e jogos. Uma das atividades participativas é a “tabela de pontos” em que se faz uma pergunta às crianças, tal como “com que freqüência você lava as mãos?” As diferentes opções de resposta são desenhadas com uma vara no chão. As crianças usam uma pedra para marcar sua resposta. Depois, comparam a sua resposta com as das outras crianças. As respostas podem ser registradas, e a atividade pode ser repetida depois de algum tempo, para ver como o comportamento em relação à saúde está mudando.

Costuma ser mais difícil ensinar os homens sobre a higiene do que as mulheres e crianças, pois eles acham que já estão bem informados sobre o assunto e não gostam muito dos métodos usados nos clubes femininos, como cantar canções. Às vezes, eles aprendem em encontros comunitários e também nas visitas às famílias, que é outro elemento do programa. Alguns homens se ofereceram para participar do programa como facilitadores nos clubes infantis.

Visitas domiciliares

Os visitantes visitam as famílias do local para ensiná-las sobre a higiene e auxiliá-las a colocarem em prática o que estão aprendendo nos clubes. Às famílias vulneráveis é oferecido apoio adicional, como, por exemplo, a identificação de crianças subnutridas para o programa de nutrição. Os visitantes são treinados para oferecer apoio psicológico às famílias quando necessário.

O visitante verifica se a latrina está limpa e bem mantida, e se há água e sabão ou cinzas para lavar as mãos. Se a inspeção for bem-sucedida, o visitante coloca uma bandeirinha do lado de fora da latrina para mostrar aos vizinhos que ela é bem cuidada. Na próxima visita, se a inspeção não for bem-sucedida, o visitante retira a bandeirinha. Este método simples está sendo excelente para motivar as pessoas a cuidarem das suas latrinas, embora funcione melhor quando a latrina é usada por uma só família, ao invés das latrines compartilhadas. Assim, a Tearfund está tentando providenciar mais latrinas familiares individuais. Este método também está empoderando os visitantes, pois a presença das bandeirinhas mostra o fruto do seu trabalho na educação das famílias.

Treinamento de voluntários

Os facilitadores, incentivadores e visitantes recebem treinamento mensalmente. O conteúdo do treinamento é decidido pelos próprios voluntários. Por exemplo, durante a estação das mangas, eles podem pedir treinamento sobre lavar as mãos e a diarréia, pois é muito provável que as pessoas colham e comam as mangas sem lavá-las ou lavar as mãos. No inverno, os voluntários podem pedir treinamento sobre resfriados.

Os voluntários são treinados quanto ao que ensinar sobre a higiene e vários métodos sobre como transmitir estes ensinamentos. Alguns dos facilitadores não sabem ler, assim, são fornecidas figuras para ajudá-los a se lembrarem das diferentes atividades que podem usar com a comunidade.

Distribuição de sabão

As Nações Unidas contratou a Tearfund para distribuir sabão nas comunidades de Darfur. Esta distribuição foi incorporada ao programa de saúde. Há três métodos de distribuição de sabão:

Foto: Anne McCulloch, Tearfund
Foto: Anne McCulloch, Tearfund
  1. O sabão é distribuído nos clubes femininos e infantis. Atualmente, cada pessoa recebe duas barras de sabão por mês.
  2. O sabão é distribuído durante as visitas às famílias. Cada família recebe quarto barras de sabão por mês. Esta quantidade está abaixo do mínimo recomendado, mas as crianças de muitas destas famílias freqüentam os clubes e, assim, também recebem barras de sabão.
  3. Cada facilitador, incentivador e visitante recebe oito barras de sabão por mês, como incentivo para a sua participação no programa.

Esta distribuição de sabão reforçou os ensinamentos transmitidos nos clubes e fez com que as pessoas passassem a lavar mais as mãos. Entretanto, há desvantagens na distribuição gratuita de sabão.

O dinheiro para o sabão está terminando e não é sustentável.

  • Se a distribuição for interrompida, pode ser ruim para a saúde, pois poucas pessoas têm dinheiro para comprar seu próprio sabão.
  • Embora as pessoas freqüentassem os clubes antes do início da distribuição de sabão, há uma preocupação com a possibilidade de que as pessoas parem de freqüentá-los se a distribuição de sabão for interrompida.
  • Sem o incentivo das barras de sabão adicionais para os facilitadores, incentivadores e visitantes, é possível que eles deixem de ajudar no trabalho.

Para solucionar estes problemas, foram tomadas as seguintes medidas.

  • Os facilitadores dos clubes e os visitantes são treinados na promoção de alternativas para o sabão, como o uso de cinzas ou areia limpa.
  • Pequenas quantias de dinheiro estão sendo oferecidas a grupos de facilitadores para que iniciem projetos de geração de renda. Isto será um incentivo alternativo para que as pessoas participem do programa quando a distribuição de sabão terminar. Alguns destes facilitadores receberam dinheiro e treinamento para fazer massa para vender. Espera-se que, no futuro, eles também possam fazer sabão para vender, mas, no momento, é difícil obter os ingredientes.

Higiene nas escolas

Outro elemento do programa é a educação sobre a higiene para escolares. Em cada escola, há um comitê de crianças formado por uma criança de cada classe. Este comitê garante que as latrinas sejam mantidas limpas e que haja água e sabão ou cinzas para lavar as mãos. As crianças do comitê recebem um uniforme especial para vestirem enquanto estão limpando as latrinas, para que seu uniforme escolar não fique sujo. Como incentivo, estas crianças recebem um crachá e um certificado. Uma vez por mês, há um prêmio para a classe que mantiver as latrinas mais limpas. Nas reuniões semanais com todos os alunos da escola, eles são ensinados sobre a saúde.

As crianças pintam murais nas paredes externas das latrinas, o que lhes dá uma boa aparência e incentiva as crianças a cuidarem delas. Os murais geralmente trazem mensagens sobre a saúde. Os funcionários do programa ajudaram com a pintura no início, pois este era um conceito novo, mas, agora, as crianças estão inventando vários tipos de desenhos criativos por si mesmas.

Anne McCulloch é Gerente de Promoção de Saúde e Atividades Infantis da Tearfund em Genina/Beida, Norte do Sudão. Para entrar em contato com ela, envie um e-mail para: cath.haynes@tearfund.org


Exemplo de uma atividade usada nos clubes infantis: “Examinando o parceiro”

  • Divida as crianças em duplas.
  • As crianças inspecionam as mãos dos parceiros para ver se estão boas, ruins ou mais ou menos em termos de limpeza.
  • Desenhe três rostos grandes na areia – um feliz, um mais ou menos e um triste. Peça às crianças com as mãos limpas para se colocarem em cima do rosto feliz, as com as mãos sujas, em cima do rosto triste, e assim por diante. Exemplo de uma atividade usada nos clubes infantis: “Examinando o parceiro”
  • Peça às crianças para contarem quantas estão em cima de cada rosto. Registre os resultados. Se houver mais crianças em cima do rosto feliz que na semana anterior, elogie-as.
  • Providencie água morna e sabão para que as crianças que estão em cima do rosto triste possam lavar as mãos e passar para o rosto feliz. Faça com que a atividade seja divertida para não deixar as crianças sem jeito.